A construção da Escola Básica e Secundária de Anadia vai ser retomada no verão. Este estabelecimento de ensino integra um pacote de quatro escolas do distrito de Aveiro a beneficiarem do levantamento da suspensão das obras da Parque Escolar. Respondendo na penúltima terça-feira (numa audição na Comissão de Educação e Ciência) a uma pergunta do deputado do PSD, Amadeu Albergaria, o ministro da Educação deu nota de que 14 estabelecimentos de ensino do país verão as suas obras continuadas.
Recorde-se que a suspensão dos trabalhos em Anadia ocorreu em 2011, altura em que a Parque Escolar – criada para proceder ao planeamento, gestão, desenvolvimento e execução do programa de modernização da rede pública de escolas secundárias e outras afetas ao Ministério da Educação – era uma das empresas mais endividadas.
No distrito de Aveiro, verão retomadas as obras a Escola Básica e Secundária de Paiva, a Escola Básica e Secundária de Anadia, a Escola Secundária Soares de Basto (Oliveira de Azeméis) e a Escola Secundária Dr. Mário Sacramento (Aveiro).

Autarquia disponível para colaborar. Questionada sobre esta matéria a edil anadiense, Teresa Cardoso revelou ter tido conhecimento, pela comunicação social, de que o Ministério da Educação se prepara para retomar as obras que se encontravam suspensas.
“Apesar de tal decisão ainda não ter sido formalmente comunicada à autarquia, a Câmara Municipal congratula-se com a decisão tomada e com a solução encontrada pelo Governo para conseguir concluir as instalações da nova escola de Anadia”, disse, acrescentando que “a edilidade reitera a total disponibilidade de colaborar, na medida do possível, na resolução dos problemas que envolvem este estabelecimento de ensino, no sentido de imprimir a máxima celeridade ao processo”.

Boa notícia há muito aguardada. Por seu turno, Elói Gomes, diretor do Agrupamento de Escolas de Anadia, que se congratula igualmente com a notícia, diz que “oficialmente” nada foi comunicado ao Agrupamento. “Esperamos que o reinício da obra aconteça o mais breve possível, pois o ideal seria ter a nova escola pronta no arranque do ano letivo de 2015/16”.
Já Patrícia Flores, presidente da Associação de Pais e Encarregados de Educação, diz que os pais estão em perfeita sintonia com os órgãos diretivos da escola e que o desejo é ver a obra concluída o mais rapidamente “graças a essa linha de crédito de que o ministro fala”, muito embora oficialmente também não tenham recebido qualquer informação por parte do Ministério da Educação, Degest ou Parque Escolar sobre o reinício das obras.
CC