“A minha proposta é trabalho, pois sem trabalho não há sucesso”. É esta, para já, a garantia do novo presidente da Fundação Mata do Buçaco (FMB), António Gravato, que tomou posse esta quinta-feira, dia 28 de agosto. O engenheiro silvícola de 60 anos diz que vai basear o seu trabalho em três alicerces: “lealdade, para com o sr. Presidente da câmara da Mealhada; zelo, defendendo intransigentemente os interesses da Fundação; e ambição, porque este espaço deve ter ambição para sonhar”.

António Gravato tomou posse dois dias depois do seu nome ter sido aprovado, por maioria (seis votos e favor e um branco), em reunião extraordinária do executivo municipal. Está assim encontrado o sucessor de Fernando Correia, que renunciou ao cargo no início de agosto. Rui Marqueiro teceu elogios ao novo presidente, que considerou “homem cordial e bom líder”.

António Gravato ressalvou as suas ligações afetivas ao Buçaco e frisou que desenvolveu aqui “um PO [Programa Operacional] para o Ambiente” e que, mais recentemente, participou na criação dos estatutos da Fundação Mata do Buçaco.

Quanto ao futuro e à estratégia para a Mata, disse ser necessário “fazer uma avaliação e relançar o programa 2020 dos Fundos Comunitários”.

Oriana Pataco

Reportagem na íntegra na edição de 4 de setembro de 2014 do Jornal da Bairrada.