Não se registaram feridos e o incêndio que deflagrou na cozinha da EB 2/3 de Vilarinho do Bairro, no passada dia 18, cerca das 15h, foi rapidamente debelado, ainda que tenha obrigado à evacuação da escola. Tudo não passou de um simulacro, mas de grande utilidade para testar o plano de evacuação daquele estabelecimento de ensino e a eficácia dos meios de socorro.
Realizado no âmbito do projeto “Ser Protegido”, promovido pela UCC Anadia e integrado no Projeto de Educação para a Saúde do Agrupamento de Escolas de Anadia, o simulacro envolveu 250 alunos, 23 professores e 13 funcionários daquela escola, bombeiros da corporação anadiense e GNR de Anadia.
O simulacro encerrou um ciclo de ações de sensibilização realizadas ao longo do ano destinadas aos alunos, encarregados de educação, professores e restante comunidade. Uma iniciativa que no ano passado testou também o plano de evacuação dos Centros Escolares de Arcos e de Paredes do Bairro, pretendendo-se, no próximo ano, abranger outros centros escolares de Anadia.
No final do simulacro, Silvana Marques, coordenadora da Unidade de Cuidados na Comunidade de Anadia, avançou que são iniciativas como esta que ajudam a “desenvolver procedimentos de planeamento, de coordenação e de conduta que melhorem as condições de segurança dos alunos e professores em situação de emergência impostas por evacuação urgente da escola”. Por outro lado, através da mobilização dos meios de socorro, estes simulacros ajudam a avaliar os riscos e a evolução da situação.
Segundo a comandante dos Bombeiros Voluntários, Ana Matias, o tempo de evacuação foi conseguido num tempo razoavelmente bom, havendo necessidade de melhorar os tempos de contagem das pessoas evacuadas. Por isso, em termos gerais, o balanço do simulacro é positivo, até porque as falhas detetadas servem precisamente para aperfeiçoar o trabalho futuro da escola. Estiveram envolvidos o Agrupamentos de Escolas de Anadia, UCC Anadia, Bombeiros Voluntários de Anadia e GNR- Escola Segura.

Catarina Cerca