Na quinta-feira, dia 30 de julho, pelas 20h, o executivo da União das Freguesias de Barrô e Aguada de Baixo, em conjunto com os arquitetos Gil e Marco Abrantes (Civilag) apresentaram à população, no salão da Junta de Freguesia, o projeto de recuperação e transformação do Largo Pratas e Sousa, em Aguada de Baixo. Localizado na zona central da freguesia, esta proposta, agora apresentada pelo executivo da União de Freguesias, mereceu o aplauso dos presentes.

Foram apresentadas as linhas mestras de organização e embelezamento do espaço, tendo em conta a especificidade do local, aproveitando a autarquia metade da verba atribuída pela Câmara Municipal de Águeda (17.500 euros) à União de Freguesias para a primeira fase desta obra.

“Vamos alocar para esta obra 17.500 euros e ver quanto das nossas poupanças poderemos alocar também, mas não serão mais de 3.500 a 4.500 euros”, disse o autarca Wilson Gaio, realçando o empenho do seu executivo em tornar a obra uma realidade, tendo já apresentado o projeto à câmara municipal de Águeda, que o analisou e aprovou.

Nesta requalificação, para já, a Junta de Freguesia terá de ser contida nos gastos “porque não temos verbas”. Embora tenha sido apresentado o projeto na sua globalidade, este vai avançar por fases, devendo a primeira fase fazer-se este ano e o restante só em 2016.

O arquiteto aguedense Gil Abrantes destacou aos presentes tratar-se de uma proposta que “não está consumada” e por isso pronta a sofrer uma ou outra correção, por forma a ir ao encontro da melhor solução para o local.

O projeto visa reorganizar a utilização do espaço público, conciliando da melhor forma a convivência pedonal com o tráfego automóvel; criar uma relação harmoniosa no espaço central, entre o edificado (igreja e cemitério), zona comercial e central do lugar, mas também criar um espaço de encontro social, lazer e convívio.

Catarina Cerca

Leia a reportagem completa na edição de 6 de agosto de 2015 do Jornal da Bairrada