Os quatro deputados municipais, eleitos pelo PSD, nomeadamente, José Manuel Carvalho (líder da bancada municipal), João Nogueira de Almeida, Ricardo Manão e Sara Seabra dos Reis, a quem lhes foi retirada a confiança política pela Comissão Política de Secção do PSD de Anadia, exigem que o presidente daquela estrutura partidária local, Henrique Fidalgo, se demita.
Recorde-se que os quatro elementos receberam, há duas semanas, uma carta da estrutura local a dar conta da retirada da confiança política, bem como dos argumentos que estiveram na sua base, acusando-os de, em várias situações, perante outros militantes do partido, não aceitarem indicações de voto, nem qualquer orientação política ou definição de estratégia por parte da Comissão Política.
Na penúltima quinta-feira, em conferência de imprensa, os três presidentes de junta eleitos pelo PSD aliaram-se aos quatro deputados e disseram estar complementamente solidários com estes e assumiram uma postura contra a decisão da Concelhia do PSD, que apelam de “caciquista” e “infundamentada”. Os três autarcas das juntas também defendem a demissão do presidente da Concelhia. Os presidentes de Junta – Manuel Veiga (Avelãs de Cima), César Andrade (Avelãs de Caminho) e Fernando Fernandes (Arcos e Mogofores) – dizem-se desagradados com a tomada de atitude e com a comunicação que a Concelhia fez ao presidente da Assembleia Municipal (AM), dando conta dos elementos que constituem o novo grupo parlamentar (Artur Salvador, Carlos Gonçalves, Graciete Castro e Henrique Fidalgo). “É com muito desagrado que tomei conhecimento da comunicação que foi feita ao presidente da AM. Estamos desprezados e não sabemos a que grupo municipal é que pertencemos perante esta comunicação”, afirmou o presidente da Junta de Avelãs de Cima, Manuel Veiga.

Caciquismo. O presidente de Arcos e Mogofores, Fernando Fernandes, defende que “o tempo do caciquismo já desapareceu e que estas atitudes deixam em baixo o PSD”, relembrando que “os três presidentes, únicos eleitos pelo PSD em todo o concelho, estão solidários com os quatro autarcas a quem lhes foi retirada a confiança política”.
Os visados, ao longo de hora e meia, rebateram todos os pontos em que eram visados pela concelhia, desmontando “uma lógica de má-fé”, como a deputada Sara Reis apelidou e que João Nogueira de Almeida disse ser típica dos tempos da União Soviética e da PIDE.
João Nogueira relembrou que só os três presidente de Junta representam cerca de 40% de toda a votação que o PSD obteve no concelho, pelo que não resta ao presidente da Concelhia outro caminho senão a demissão.
José Carvalho, outro dos deputados visados, também defendeu a demissão do presidente da Concelhia, sublinhando que “há muita coisa que tem que ser explicada” e que defenderá sempre Anadia e não orientações políticas. “Como podemos votar contra as contas da Câmara de Anadia, se estas expressam uma boa gestão”, questionou.

Leia mais na versão digital do seu JB.