A freguesia de Vilarinho do Bairro está em contagem decrescente para uma viagem no tempo. Vai regressar ao passado, mais concretamente, à Idade Média, durante três dias (22 a 24 de julho).
Neste momento, ultimam-se os preparativos para mais uma recriação histórica promovida pela Junta de Freguesia local.
Entre sexta-feira e domingo, o Largo da Saudade – junto à Igreja e cemitério, será palco de uma Feira Histórica e Tradicional que vai recriar o ambiente da Idade Média.

Três dias de muita animação. Uma iniciativa que surge na sequência da celebração dos 500 anos de foral no ano transato e da realização da primeira recriação histórica levada a cabo na freguesia, “Feira Quinhentista”, que se traduziu num enorme sucesso.
Aliás, o êxito foi de tal forma que a Junta de Freguesia se viu “obrigada” a avançar com uma segunda recriação, este ano, mas já relativa a outro período histórico.
“Era nossa vontade dar continuidade a esta feira e prendeu-se com o facto da freguesia ter um vazio neste aspeto. Por outro lado, após a realização da 1.ª edição do ano passado, pela Junta de Freguesia com o apoio das associações locais, facilmente se percebeu que teria de haver continuidade nesta ação”, avança a JB o autarca Carlos Torres, que não esconde ter sido uma “pressão saudável” que compeliu a Junta de Freguesia a preparar uma segunda edição, agora focada na Idade Média.
“Uma Feira Quinhentista, este ano, não faria sentido. Por isso, a aposta feita em torno da Idade Média. Mas como uma feira que recrie unicamente a Idade Média nos traz vários condicionalismos, decidimos que dentro dos moldes e contexto medieval a feira deve ser Histórica e Tradicional, por forma a ser mais abrangente.”
Desta forma, será possível à organização, durante estes três dias oferecer um leque variado de atividades.
O espírito será efetivamente a época medieval, mas haverá, por exemplo, a atuação de marchas e de ranchos folclóricos, que já remetem para eventos tradicionais, mais ligados aos usos e costumes da freguesia.
Fica a promessa de três dias de muita animação, com forte componente histórica, mas sobretudo um evento que quer, através das várias atividades que integram o programa, aproximar as gentes da freguesia, envolvendo-as numa festa que será de todos e para todos.
Por isso, as expetativas para a presente edição mantêm-se elevadas: “o ano passado queríamos atingir uma determinada fasquia e essa foi de tal forma ultrapassada que, este ano, se alcançarmos o mesmo sucesso, se igualarmos a edição anterior, já ficaremos bastante satisfeitos”, avança o autarca.
Programa
Dia 22 (sexta-feira)
Pelas 19h terá lugar a abertura da Feira, com um cortejo medieval, mas que se repetirá também nos dois dias seguintes.
Neste dia, já à noite, vão atuar as marchas populares da Freguesia de Vilarinho do Bairro (Samel) e de S. Lourenço do Bairro, freguesia vizinha. Ambas as marchas participaram este ano na Feira da Vinha e do Vinho, em Anadia, podendo agora, ser revistas as suas atuações integradas neste Feira Histórica e Tradicional.

Dia 23 e 24 (sábado e domingo)
Pela manhã, terá lugar o passeio cicloturístico à freguesia de Vilarinho do Bairro (ver caixa na página ao lado).
À tarde, pelas 17h, terá lugar a atuação de dois ranchos folclóricos: o da Casa do Povo de Vilarinho do Bairro e de Paredes do Bairro.
O resto da tarde e noite de sábado e tarde de domingo estará a cargo do grupo Bombarda (Vila Nova, freguesia de Outil), responsável pela recriação histórica. Terão sempre, durante toda a feira, um acampamento medieval. Depois, ao longo destes dias, haverá os cortejos medievais, espetáculos de fogo, torneios de artilharia e luta de armas apeado, caça às bruxas e ainda gigantones.
Pelo recinto da feira e durante o fim de semana será possível contactar com as várias classes sociais existentes à época (mendigos, povo, nobres, clero). Será o grupo Bombarda que estará responsável por estas recriações.
Tasquinhas da freguesia e artesãos
À semelhança do ano anterior, a Junta de Freguesia tem como principais aliados na realização deste evento, as associações locais. Praticamente todas vão ter tasquinhas (10) na Feira, onde será possível provar petiscos e iguarias regionais. Um espaço que vai contar ainda com a presença de vários artesãos, que vão dar ao espaço uma maior dinâmica e diversidade de oferta.
Carlos Torres destaca a forma empenhada e colaborante com que as associações se envolvem nesta iniciativa, tentando cumprir ao máximo a recriação histórica. Por outro lado, são três dias em que, apesar do imenso trabalho, lhes é possível angariar fundos para o trabalho que vão desenvolvendo ao longo do ano.
“Para além dos lucros que podem tirar do evento, mais significativa é a aproximação, o envolvimento e entreajuda que se consegue entre as várias associações”, diz. “Foi e é um evento que aproximou as coletividades umas das outras, encurtou distâncias e fortaleceu laços entre as pessoas”, destaca Carlos Torres.
À semelhança de 2015, o autarca de Vilarinho do Bairro acredita que a Feira vai conseguir atrair muitos visitantes, não só da freguesia como de várias freguesias limítrofes e de vários pontos da região.
Embora a organização de um evento desta natureza tenha custos elevados, a Junta de Freguesia defende que este é um evento incontornável da freguesia, já que traz mais-valias e benefícios a vários níveis.

Passeio à freguesia em cicloturismo

Numa organização da Junta de Freguesia, esta volta vai fazer-se pelos vários locais da freguesia, numa distância de aproximadamente 20 quilómetros.
O passeio, aberto a todas as faixas etárias, tem um custo de 7,5 euros com oferta de T-Shirt e boné e almoço (porco no espeto).
Carlos Torres sublinha o aspeto descontraído do passeio que junta crianças, jovens, adultos e idosos. Por isso, o passeio será feito em ritmo lento, com duas a três paragens para que os cicloturistas não se dispersem.
Na edição do ano passado, participaram cerca de 200 pessoas e o autarca acredita que o número neste edição poderá ser semelhante.
Com hora prevista de chegada para as 12h30, segue-se o almoço (sandes de porco no espeto). As bebidas não estão incluídas no preço da inscrição, já que as tasquinhas das várias associações vão explorar esta área das bebidas.
Catarina Cerca
catarina.i.cerca@jb.pt