O Museu do Vinho Bairrada, em Anadia, inaugura pelas 16h de sábado, 10 de dezembro, duas novas exposições temporárias, onde se revelam a pintura e o desenho de Gabriela Carrascalão – “Mana Timor” – e algumas das melhores caricaturas e arte digital de Rui Duarte – “Mr. Vin e Companhia”.
Gabriela Carrascalão, artista timorense radicada em Mogofores, onde vive com o marido, José Cid, expõe obras com um cunho muito pessoal, que dão a conhecer as impressões e os sentimentos de quem viveu na pele a guerra em Timor-Leste, e de quem assistiu à morte e ao sofrimento de familiares e de amigos.
O exílio na Austrália permitiu-lhe um percurso profissional como jornalista, mas também artístico, para além de uma empenhada ação cívica em prol de um novo país – Timor-Leste – e da criação e fortalecimento da sua democracia.
Esta mostra dá a conhecer as obras mais emblemáticas da carreira da artista, bem como alguns trabalhos inéditos que não deixarão de surpreender os visitantes – a dor espelhada nestas representações é traduzida com recurso à cor e a um traço muito bem definido, que permitem fazer transparecer o sofrimento e a revolta associados às memórias que a artista guarda do passado recente da sua pátria.
José Ramos-Horta, ex-presidente de Timor-Leste e Prémio Nobel da Paz, afirma que Gabriela Carrascalão faz parte da “elite restrita de artistas Timorenses que retrata nas suas telas a beleza sedutora, mágica da nossa ilha, enfeitiçada e sagrada”.
Num registo diferente – o do humor – Rui Duarte recorre ao icónico Mr. Bean, aqui intitulado “Mr. Vin”, para servir de cicerone numa divertida visita ao mundo fantástico da ilustração, da gravura e das caricaturas de um vasto leque de figuras e personalidades mediáticas, do mundo do desporto, da televisão, do cinema e da política nacional e internacional.
Esta exposição junta mais de seis dezenas de trabalhos que demonstram o fino sentido de humor do artista e que representam o já vasto percurso deste jovem autor, por muitos considerado um dos melhores ilustradores a nível mundial.
As duas exposições estão patentes no Museu do Vinho Bairrada, em Anadia, até ao dia 31 de março de 2017, podendo ser visitadas de terça a sexta- feira, das 10h às 13h e das 14h às 18h, e aos fins de semana e feriados, das 11h às 19h.

D. Ximenes Belo e Ramos Horta visitam exposições

O Município de Anadia acolhe, no final do próximo dia 12, um dos eventos do programa com que a Universidade de Coimbra assinala, entre 9 e 16 de dezembro, os 25 anos do massacre de Santa Cruz e os 20 anos do Nobel da Paz atribuído a Ximenes Belo e José Ramos-Horta: uma visita à exposição “Mana Timor”, da artista timorense Gabriela Carrascalão”, patente no Museu do Vinho Bairrada.
Dedicado ao tema “Timor: imagens e palavras que mudaram o mundo”, o programa evocativo pretende também “homenagear Ximenes Belo e José Ramos-Horta, premiados pelo seu trabalho “em prol de uma solução justa e pacífica para o conflito em Timor-Leste”. A iniciativa homenageia ainda o jornalista britânico Max Stahl, responsável por filmar, em 1991, as imagens do massacre de Santa Cruz, em Dili, que correram o mundo e foram, em grande medida, responsáveis por chamar a atenção para o povo timorense sob ocupação indonésia”.
A inauguração da exposição “Mana Timor”, de Gabriela Carrascalão, integra o programa oficial delineado pela Universidade de Coimbra e irá decorrer no próximo sábado, 10 de dezembro, pelas 16h. As obras de Gabriela Carrascalão, artista timorense radicada em Mogofores (Anadia), caraterizam-se por um cunho muito pessoal, dando expressão às agruras da guerra em Timor-Leste.