Um périplo pelo concelho, para estar “mais perto” das pessoas e deixar uma mensagem de “solidariedade institucional”. Aconteceu uma semana antes do Natal, levando o presidente da assembleia municipal (AM), deputados e presidentes de juntas de freguesia, a visitar as zonas mais afetadas pelos incêndios de 15 de outubro.
Um sinal “importante”, que deve ser dado “numa situação atípica como esta”, assinalou Rui Santos, que reconheceu ser fundamental “dar ajuda e algum alento” a quem passou e está a passar por momentos difíceis. Para posteriormente “fazer todo o trabalho necessário, a nível de magistratura de influência, que puder ser feito”, concretizou o presidente da AM.
Da comitiva fez, ainda, parte o presidente de câmara, que fez o ponto de situação sobre aquilo que, entretanto, já terá sido feito, nomeadamente a nível de enquadramento legal.
Segundo Silvério Regalado, o município de Vagos já dispõe uma série de candidaturas de apoio para diversas áreas – agrícola (que já fecharam e estão agora a ser analisadas), comercial, industrial, e ainda danos em habitações próprias permanentes. “Temos muita gente que já recuperou o edificado”, referiu o autarca, confirmando que, a partir de agora, haverá pessoas que “podem ser ressarcidas diretamente, mesmo depois de terem avançado com as obras.”
Destacando o papel da câmara, que procedeu à elaboração das candidaturas em conjunto com os serviços da Direção Regional da Agricultura e Pescas do Centro (DRAPC), o edil vaguense admitiu que “tudo fará, para que seja o mais rápido possível”, conforme compromisso assumido perante o Presidente da República. “Julgo que aos poucos estamos a deixar para trás a tragédia que assolou este concelho”, reconheceu Silvério Regalado, sublinhando que as famílias “precisam de recompor as suas vidas.”

Outras visitas

No rescaldo dos incêndios, a primeira visita a Vagos foi dos deputados do PS à Assembleia da República. A pensar nas respostas e nos desafios do futuro, por aqui andaram, a 23 de outubro, Filipe Neto Brandão e Fernando Rocha Andrade, tendo sido acompanhados pelo presidente da câmara e os deputados municipais Óscar Gaspar e Bruno Julião.
De visita a Arouca e Castelo de Paiva, também passaram por Vagos os deputados do PSD eleitos por Aveiro. Liderados pelo ex-líder da bancada, Luís Montenegro, fizeram um levantamento dos estragos, e deixaram palavras de solidariedade e disponibilidade.
Acompanhada por alguns deputados, Assunção Cristas (CDS) veio no dia 27, tendo visitado, em Ponte de Vagos, as estufas de produção de framboesa e a empresa de produção e colocação em embalagens de cogumelos.
A 7 de novembro chegou o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. Visitou fábricas e empresas, e no encontro que teve no quartel de bombeiros, disse “que vale a pena reter as lições para o futuro para que nunca mais se repita.”

Eduardo Jaques/Colaborador