Há “centenas de animais errantes” em Vagos e o problema está a tornar-se “difícil de gerir”. O alerta foi lançado pelo presidente da Câmara de Vagos, Silvério Regalado, aproveitando uma visita, no passado sábado, às instalações da Gaticão – Associação dos Amigos dos Animais Abandonados.
“Estamos a fazer tudo para cumprir a lei, mas não temos espaços suficientes para abrigar tantos animais, sobretudo cães”, disse Silvério Regalado, acrescentando que a autarquia tem recebido queixas sobre a existência de matilhas de cães à solta nas matas entre as Gafanhas de Boa Hora e do Carmo.
Desde 2006, o apoio à atividade regular da Gaticão e melhoria das instalações, para a salvaguarda da saúde pública e do bem-estar dos animais já chegou aos 350 mil euros. Recentemente, a autarquia investiu mais de 40 mil euros em obras de ampliação e comparticipou a construção de 28 novas boxes para o acolhimento de cães na Gaticão, mas a verdade é que isso não chega.
O já anunciado canil intermunicipal, que vai ter quatro polos em diferentes concelhos da região de Aveiro, ficará longe de responder às necessidades. “Será uma solução para as primeiras centenas de animais, mas rapidamente esses espaços ficarão cheios”, receia o autarca de Vagos.

 

Ler mais na edição impressa ou digital