Primeiro em Soza, a promover a abóbora, depois na freguesia de Vagos/Santo António, na feira da batata-doce. Dois fins de semana seguidos, a trabalhar produtos da terra, com alguma animação à mistura, que atraíram milhares de visitantes, sendo que muitos vieram de fora.
No caso de Soza, afinal nem a chuva impediu o anunciado “sucesso” da 8.ª edição do certame, como reconheceu a chanceler-mor da Confraria dos Sabores da Abóbora, que dinamizou o projeto cultural da freguesia. Segundo Fátima Rito, para além das diversas associações do concelho, o evento contou, este ano, com a presença de trinta artesãos e oito produtores de abóbora.
De assinalar que António Almeida foi o vencedor do concurso da “maior abóbora”. Pesava 48 quilos, e foi atração na mostra de Soza, quando se sabe que mais de 70% da produção nacional de abóboras está concentrada na região Oeste. Registo, ainda, para os vencedores dos restantes concursos: Rui Tavares (esculturas), Dolores Silva (papas de abóbora) e feijão inchado da Octávia (sopas da terra). Este ano foi apresentada, pela primeira vez, a nova “delícia de Soza”. Confecionada pelo chefe João Moreira, mais não é que uma queijadinha feita com açúcar, leite e amêndoa, a que se juntou uma “grande percentagem de abóbora e massa crocante no seu exterior”.
 
Ler mais na edição impressa ou digital