O Município de Oliveira do Bairro instalou 26 novos oleões por todo o concelho, para colocação de óleos alimentares usados, recuperando e melhorando um serviço que tinha sido descontinuado, informou o município nas redes sociais.

De acordo com Jorge Pato, vice-presidente da Câmara , “estes equipamentos foram colocados junto a ecopontos e ilhas ecológicas, facilitando e promovendo a divisão dos resíduos domésticos de forma a aumentar a sua recolha seletiva e, assim, contribuir para a defesa do ambiente”.

Ainda segundo o autarca, “a população do nosso concelho tem dado uma resposta muito positiva nesta área, demonstrando uma crescente preocupação com as questões ambientais e de sustentabilidade, sendo exemplo disso o aumento de 32% da recolha seletiva de resíduos em 2019, face ao ano anterior”.

Sobre a forma como os munícipes devem fazer a recolha, Jorge Pato explicou que “os óleos usados na confeção de alimentos, azeite vegetal e gorduras alimentares deve ser vertido numa garrafa usada de plástico, se necessário com o auxílio de um funil, que depois deverá ser colocada no oleão”. “Estes resíduos não devem ser despejados diretamente nos oleões”, alertou o autarca.

“Óleos de motores, transmissões e lubrificantes, restos de comidas e outros tipos de líquidos não devem ser colocados nos oleões”, acrescentou Jorge Pato.

Os novos oleões estão equipados com o sistema de sensorização Simple Smart (S+), que permite uma monitorização em tempo real do seu estado de enchimento e a contabilização do número de depósitos inseridos. Estes equipamentos estão equipados com sensores ligados a um sistema de “backoffice”, através de rede móvel, para monitorização e melhor eficiência na gestão das rotas e recolhas em tempo real, entre outras vantagens.

Os óleos alimentares usados, quando indevidamente descarregados para o esgoto provocam problemas nos sistemas de tratamento de águas residuais, constituindo um potencial perigo de contaminação, quer dos solos, quer das águas, tanto a nível de aquíferos como das ribeiras e águas do mar.

Estes resíduos podem ser valorizados em produtos como biodiesel e sabão, sendo por isso essencial proceder à recolha seletiva e encaminhá-los para destinos adequados.