Recortes.pt Leia no Recortes.pt

Município de Anadia investe 11 milhões em saneamento básico

Pedro Paulo, secretário de Estado do Ambiente e do Ordenamento do Território presidiu na penúltima quarta-feira, dia 19, na Câmara Municipal de Anadia, à cerimónia de homologação do contrato de financiamento do “Sistema Integrado de Drenagem e Tratamento de Águas Residuais do Concelho”.
O contrato, celebrado ao abrigo do Programa Operacional Temático de Valorização do Território (POVT), prevê um investimento total de 10 milhões e 940 mil euros e conta com uma comparticipação de 80% do valor total da obra (7.603.112,76 euros).
São redes de drenagem de águas residuais, emissários, condutas elevatórias, estações elevatórias e estações de tratamento de águas residuais que vão permitir ao concelho, segundo Litério Marques, “ficar com uma cobertura de rede na ordem dos 95%” (actualmente a cobertura é de cerca de 70%).
Por seu turno, a autarquia anadiense terá de desembolsar os restantes 20%, ou seja, cerca de 3 milhões de euros. Um montante elevado e que representa “um esforço financeiro enorme”, ressalva Litério Marques, sublinhando que apesar da boa saúde financeira da autarquia, “que paga atempadamente aos empreiteiros”, precisa de recorrer à banca por forma a fazer face à parte não comparticipada pela POVT. Por isso, reclama da Tutela o regime de excepção: “tenho junto das entidades bancárias créditos assegurados para a comparticipação que cabe à Câmara Municipal nestas obras, todavia o Governo tarda em conceder o excepcionamento”.
Para Litério Marques, o tardar de uma resposta afirmativa por parte do Poder Central “poderá criar grandes constrangimentos, levando as empresas que trabalham para a Câmara e outras à falência”.
O edil não deixou também de referir que, neste momento, estão já adjudicados 2.536.406,81 euros, restando adjudicar, até ao final do ano, o montante de 6.591.447,19 euros.
Destacando também o facto da autarquia ser a gestora da rede municipal de água e saneamento e o facto de não se ter deixado “intimidar”, apesar das “pressões” para que aderisse a uma sociedade que gere e explora na região os serviços de água e saneamento, afirmou não estar arrependido por nunca ter aderido: “corri o risco, fui ameaçado, mas não cedi a pressões e a verdade é que, hoje, estamos aqui, a assinar este contrato de financiamento.”
Ao secretário de Estado destacou também o facto das obras não pararem no concelho, totalizando 22.962.188,71 euros.
“Mas pode questionar-se como tudo isto é possível, sem empresas municipais? Na verdade, os projectos, o acompanhamento e a fiscalização é dos nossos técnicos, o rigor financeiro é exemplar, aqui não há despesa sem haver cabimento de suporte. Se em todas as Câmaras, ou outras entidades e os próprios governos assim o fizessem, talvez não houvesse as derrapagens que levaram o país a esta situação”, concluiu.

PDM e nó à A1. O autarca aproveitou ainda a presença do secretário de Estado para voltar a apelar à construção do Nó na A1 de Anadia: “para acabar com a discriminação de Anadia no tocante às acessibilidades”, não esquecendo a necessidade de agilizar a revisão do PDM do concelho: “a revisão do PDM de Anadia tem sido morosa, mesmo danosa, pois tem impedido o município de decisões que muito contribuiriam para o seu desenvolvimento”.
Referindo-se ao PDM que, diz, “deveria ter sido um caso de polícia”, lembrou que “levar cidadãos humildes que lutam pela sua residência, restauro, ampliação ou mesmo construção a Tribunal é violento e discriminatório. As coimas são violentíssimas. Paralelamente, há Associações que gozam de isenção de custas nos Tribunais, pondo em desvantagem de imediato o cidadão que paga os seus impostos”.

Política ambiental eficiente. Na oportunidade, Pedro Afonso Paulo sublinhou a importância do investimento numa área onde o país ainda tem um longo caminho a percorrer: “a falta de saneamento básico afecta a qualidade ambiental, causando problemas ambientais graves”.
Quanto à gestão da água e saneamento, deixou claro que a autarquia pode continuar a gerir este recurso: “Não nos interessa quem gere, público ou privado, mas sim a sustentabilidade e que seja gerido de forma eficiente”.
Quanto ao financiamentos, referiu que em tempos de crise não existem condições financeiras para recorrer a empréstimos: “não depende de vontade política”, mas deixou a certeza de que a Tutela está empenhada em encontrar meios para que as entidades gestoras de água e saneamento possam ter período mais alargado de financiamento. Por isso, diz, “temos de olhar para a política ambiental pelo lado da eficiência dos recursos”, “seguindo uma política ambiental eficiente e sustentável”, mas também “uma política de rigor e exigente, mesmo ao nível das tarifas”.

Catarina Cerca

Deixe um comentário

Ad Code

Pergunta da semana

Um estudo indica que mais de duas doses diárias de álcool por dia aceleram perda de memória. Qual o seu consumo habitual no dia a dia?

View Results

Loading ... Loading ...
Newsletter Powered By : XYZScripts.com