“Resolvi assumir esta condição de candidato face às inúmeras solicitações que tenho recebido, de clubes, dirigentes, treinadores, árbitros, outros agentes desportivos e ainda de algumas personalidades autárquicas, certamente por força dos meus 50 anos de dirigismo desportivo, no sentido de devolver à AFA o prestígio representativo da sua grandeza, bem como implementar a abertura e o apoio que os clubes carecem”, salientou Fernando Vinagre, ele que foi profissional daquele organismo durante 46 anos e onde desempenhou vários cargos.
As razões da sua candidatura visam efetuar uma reorganização desportiva no futebol e no futsal (masculino e feminino), de modo a minimizar a maior crise financeira que os clubes atravessam neste momento.
Outras linhas do seu programa: Implementação de mecanismos internos, que visem um atendimento personalizado, fácil e sem burocracias. Dignificação das seleções distritais no sentido de lhes devolver o prestígio alcançado no passado. Estudo e análise com vista à redução de taxas e outros encargos dos clubes. Redução de prémios de seguros e respetivas franquias e alterações de regulamento e dos estatutos.

Lista única. Na semana passada surgiram dois candidatos, Arménio Pinho e Carlos Sá Correia. Segundo nota enviada pelo primeiro, “tendo em vista a defesa dos superiores interesses do futebol aveirense”, ambos chegaram a uma solução de consenso, apresentando uma candidatura de unidade, em que Arménio Pinho encabeçará a lista candidata à direção da AFA e Carlos Sá Correia à presidência da Mesa da Assembleia Geral.