A empresa Encobarra interpôs a segunda providência cautelar para impugnar o procedimento relativo à empreitada de construção do novo Pólo Escolar de Oiã Poente, com o objectivo de impedir que os trabalhos se iniciem, anunciou, na última reunião de Câmara, Mário João Oliveira, presidente da autarquia oliveirense.

Recorde-se que a mesma empresa já tinha interposto uma providência cautelar para impugnar a empreitada da construção do pólo escolar de Bustos.

Mário João Oliveira, presidente da Câmara, refere que “aprovámos em reunião de Câmara, com duas abstenções do CDS/PP, uma proposta para reconhecer o interesse público desta empreitada de construção da escola do 1.º ciclo de ensino pré-escolar de Oiã poente, tal como já tínhamos feito com a providência relativamente à escola de Bustos”.
“O que nos move, e aquilo que queremos fazer, é perseguir o interesse público. E o interesse aqui é seguir com os trabalhos, de forma a que possamos cumprir prazos, para garantir o financiamento das escolas e satisfazer as expectativas dos que aguardam a sua entrada em funcionamento”, justifica o autarca.

A possibilidade da empresa avançar com a providência cautelar já tinha sido referida, em reunião de Câmara, pelo vereador do CDS/PP, Jorge Mendonça.

A Encobarra argumenta que o procedimento administrativo não foi cumprido e que existe uma série de incongruências no concurso.