A Universidade de Aveiro (UA) vai constituir, até ao final do ano, um laboratório de eficiência energética, no âmbito de um protocolo que foi assinado, na sexta-feira, com a Galp Energia.

O laboratório será integrado por docentes universitários e ainda por bolseiros de doutoramento empresarial e possibilitará que os alunos apliquem os conhecimentos adquiridos em sala de aula em casos reais de intervenção ao nível da eficiência energética.

Em declarações à Lusa, o presidente da comissão executiva da Galp Energia, Manuel Ferreira de Oliveira, disse que com este laboratório pretende-se “acumular conhecimentos, competências e práticas que permitam ajudar as empresas do país a consumir os combustíveis que usam com mais eficácia e menos custos”.

Manuel Ferreira de Oliveira destacou ainda a importância da eficiência energética na resolução dos problemas económicos do país.

“Nós importamos quase 75 por cento da energia que consumimos. Portanto, se conseguirmos reduzir o consumo de energia isso significa contribuir para o equilíbrio da nossa balança comercial e para umas melhores contas públicas e uma melhor economia do país”, sustentou o mesmo responsável.

O presidente da Galp Energia deu ainda conta de alguns projectos no âmbito da eficiência energética que a empresa tem atualmente em desenvolvimento, designadamente na óptica do serviço ao cliente.

“Nos últimos três anos patrocinámos junto de 53 clientes industriais portugueses teses de mestrado que visavam o apoio técnico ao uso eficiente de energia nessas empresas”, adiantou.

Na mesma ocasião, o reitor da UA, Manuel Assunção, elegeu o domínio da energia como uma das “apostas fortes” da universidade e uma das áreas âncora definidas para o Parque da Ciência e Inovação, recentemente criado e que deverá estar erguido em 2013 nos municípios de Ílhavo e Aveiro.

O protocolo que foi assinado prevê ainda a realização de um diagnóstico energético e da qualidade do ar interior da UA e a definição de um plano de acção.