A candidata à Câmara Municipal de Águeda, Paula Cardoso assume que o seu projeto tem por base uma aposta nas pessoas e numa clara humanização das políticas municipais.
Na apresentação da sua candidatura, pela coligação PSD/ CDS-PP – “Todos somos Águeda”, elegeu como prioridades para o concelho a natalidade e as políticas de fixação de população; a necessidade de envelhecer com dignidade; modos e instrumentos de promoção à criação de emprego, com ações e projetos virados para as dinâmicas empresariais; o apoio à criança; o crescimento harmonioso do concelho; a juventude e implementação de uma estratégia e política desportiva.
Paula Cardoso lembrou ainda que é particularmente sensível às matérias dos menores, com provas dadas já que esteve durante oito anos à frente da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens em Risco de Águeda.
Paula Cardoso terminou o seu discurso lembrando que “precisamos da manutenção e sustentabilidade da ligação viária e ferroviária a Aveiro, que temos que pressionar e reivindicar em definitivo a ligação à autoestrada”.
Também o acesso à saúde são preocupações que farão Paula Cardoso lutar pela manutenção de uma rede de cuidados adequada e eficiente. Apesar desta matéria ser definida a nível nacional, a candidata à Câmara Municipal de Águeda diz que irá travar os combates que forem necessários à manutenção dos mesmos, “nomeadamente para que tenhamos um Hospital digno e que sirva a população”, para isso enfrentará o que e quem quer que seja na defesa intransigente desta causa.

Qualidades humanas elogiadas. Manuela Ferreira Leite, antiga líder do PSD esteve presente na apresentação e assumiu que não hesitou um segundo quando Paula Cardoso a convidou para ser a presidente da Comissão de Honra da candidatura, pois conhece-a e sabe que “tem as qualidades que, neste momento, se exigem a um autarca, que passam pela sua capacidade humana de proximidade com as pessoas”.
Paula Cardoso foi também muito elogiada pelo líder do Grupo Parlamentar do PSD na Assembleia da República, Luís Montenegro, e pelo secretário de Estado da Administração Interna, Filipe Lobo D’ávila.