A Câmara da Mealhada vai comparticipar os tratamentos nas Termas de Luso, com vista ao incentivo ao termalismo terapêutico e à revitalização daquele destino turístico do concelho. As linhas principais deste apoio, que terá um plafond financeiro anual de 63 mil euros, foram apresentadas, na passada segunda-feira, naquela estância termal.
Apostar na medicina preventiva e dinamizar a economia local são as duas grandes razões na origem desta tomada de posição da autarquia, apontadas por Rui Marqueiro, presidente da Câmara da Mealhada, que foi ao Luso para divulgar a proposta, aprovada em reunião de Câmara, no dia anterior, e que prevê uma comparticipação média de 90 euros a cada termalista que tenha prescrição médica para tal tratamento.
Anunciando que “haverá outras ideias a desenvolver, a médio prazo”, o autarca avançou esta, a curto prazo, para “incentivar a prática de uma vida saudável, através da medicina preventiva”, obtendo da Câmara “uma comparticipação semelhante à que praticava o Serviço Nacional de Saúde (SNS)” até 2011.
Sérgio Franco, administrador da Malo Clinic Termas Luso, agradeceu a postura da Câmara, que “desde o início do mandato sempre mostrou vontade em promover as termas”, lembrando que no retrato do país “metade das unidades termais existentes são geridas, direta ou indiretamente por municípios, o que distorce a competitividade nesta área”, daí que “medidas como estas vêm repor o equilíbrio no setor”.
Também presente nesta sessão, Nuno Pinto Magalhães, enquanto representante da Sociedade da Água de Luso, aplaudiu a iniciativa “peculiar” da Câmara da Mealhada em “substituir o Estado nesta situação”. “Se todos fizermos a nossa parte revitalizaremos as termas, o turismo e toda a economia local”, defendeu, concluindo que “é importante ver a Fundação Bissaya Barreto, a Fundação Mata do Buçaco, a Santa Casa da Misericórdia da Mealhada e a Câmara, entre outras, a fazerem a sua parte em projetos deste tipo”.
A Malo Clinic Termas Luso Thermal & Medical Spa nasceu da parceria entre a Malo Clinic e a Sociedade da Água de Luso, com o objetivo de reabilitar e requalificar as Termas de Luso, investindo três milhões de euros entre 2009 e 2011 para uma nova dinâmica de termalismo suportado por três valências complementares: Termalismo, Spa Termal (com as vertentes Esthetics e Acqua) e Medical Center (com a medicina física e reabilitação).
João Paulo Teles

Leia a reportagem completa na edição de 4 de junho de 2015 do Jornal da Bairrada