Na freguesia de Avelãs de Cima (concelho de Anadia) foram recentemente realizadas duas intervenções que vieram dignificar dois locais próximos, um deles a Fonte da Costinha, há anos, caída no esquecimento.
As beneficiações estiveram a cargo do Coletivo Nora (Águeda) que, a convite da Junta de Freguesia de Avelãs de Cima, realizou duas intervenções artísticas neste meio rural.
A forte ligação da água com a Freguesia é já antiga e serviu de inspiração.
Esta oportunidade surgiu por mero acaso quando o autarca de Avelãs de Cima, Manuel Veiga, numa deslocação a Águeda, contactou com algumas das intervenções feitas pelo Coletivo Nora. “Achei piada e pensei que seria interessante realizar uma experiência do género na nossa freguesia”. O seu executivo apoiou a ideia e realizaram-se os contactos necessários.
As intervenções resultaram de várias conversações, de um estudo e projeto realizado pelo Coletivo Nora, que percorreu a freguesia para perceber os seus costumes, usos e tradições.

Fonte volta a ter água. A Fonte da Costinha obedeceu a um estudo e projeto. “Era uma fonte que estava abandonada e sem água ou com água residual que já não era potável”, recorda o autarca, sublinhando agora que a intervenção devolveu toda a dignidade a esta fonte que, em breve, terá também novamente água a correr na torneira. “Vai avançar a colocação da água da Fonte do Moleiro a correr nesta fonte, através de uma nova canalização que vai ser colocada em breve. A obra não é complexa. Para além da recuperação da fonte, dotamo-la novamente de água, indo ao encontro do desejo de muitas pessoas”, sublinha.
Assim, o velho e degradado muro de suporte à fonte foi transformado numa enorme tela onde foram pintadas videiras e apontamentos de água. Uma pintura que se enquadra perfeitamente com o espaço natural envolvente, nomeadamente com a vinha localizada nas traseiras do muro.
Uma iniciativa que teve uma particularidade digna de destaque: “o Coletivo Nora começou a pintar o muro a um sábado e pouco a pouco, ao longo do dia, foram-se juntando jovens voluntários que começaram a pintar juntamente com eles, despertando a sua responsabilidade cívica e solidária”, revela Manuel Veiga que, no futuro, gostaria que o Coletivo Nora pudesse dar alguma formação na freguesia a jovens que queiram localmente desenvolver um trabalho semelhante de arte, embelezando e intervindo em vários locais da freguesia. Intervenções de cariz cívico e social que gostaria de ver replicados noutros locais da freguesia.
Paralelamente, no dia da pintura do muro da fonte, o grupo Incantus – Grupo de Tocares e Cantares da Freguesia de Avelãs de Cima animou parte da tarde, no local, interpretando alguns temas do seu repertório e dando um outro sentido e dinâmica ao evento.

Recuperar e reutilizar. Em simultâneo, o Coletivo Nova desenvolveu, a escassos metros da fonte, um outro projeto que designam por “Fiel de Armazém”. Trata-se de uma abordagem artística a materiais menos óbvios existentes nos mais diferentes tipos de armazém. Neste caso, foi no estaleiro da Junta de Freguesia que encontraram duas antigas e degradadas paragens de autocarro. A ideia foi fazer a sua devolução ao espaço público, tornando-as úteis. A estrutura metálica vai ser preenchida por videiras, que por sua vez foram plantadas em velhos blocos de cimento transformados num banco e numa floreira.
“A recetividade da população foi muito positiva e a experiência acaba por ser gratificante”, diz Manuel Veiga.

Coletivo Nora, pela primeira vez com intervenção em meio rural. O Coletivo Nora nasceu pelas mãos de César Pereira, arquiteto, e João Balreira, estudante. Trata-se de um grupo de intervenção urbana iniciado há três anos com o desígnio de criar uma linguagem diferente e criativa entre a cidade e os seus habitantes.
“Queremos sempre que as nossas intervenções envolvam as pessoas, a comunidade para que, participando ativamente, elas façam mais sentido”, diz João Balreira.
Esta foi a primeira intervenção que realizam em contexto rural e aplaudem a forma como a população os recebeu: “as pessoas são de trato mais simples, mais fácil e foi uma experiência muito interessante”, diz César Pereira, que destaca, no meio rural, “a existência de recursos diferentes dos meios mais urbanos.”
“Depois, embora no meio urbano haja mais gente a ter contacto com as intervenções, a verdade é que nestes espaços há sempre muitas coisas a acontecer e as pessoas se dispersam. No meio rural é o contrário”, diz João Balreira.
A rua sempre foi e continua a ser o lugar onde as intervenções acontecem com mais frequência. Avelãs de Cima não foi exceção.
Agora, os jovens acreditam que Avelãs de Cima poderá ter sido uma porta que se abriu a novos trabalhos noutras freguesias da região, até porque se trata de beneficiações dentro das possibilidades dos orçamentos das juntas de freguesia.
“Isso também é fruto de uma história: começámos em Águeda, um meio urbano mas relativamente pequeno. Como começamos só os dois com o nosso próprio investimento, teve de ser reduzido porque nenhum de nós tinha disponibilidade financeira. Daí esse hábito de intervir com poucos recursos, mesmo quando trabalhamos com orçamentos”, avança João Balreira.
A terminar, reconhece que na freguesia existe um local onde gostavam de intervir “nem que fosse só com um apontamento”. JB sabe que é no Corgo de Cima.
No imediato vão ter um espaço físico (oficina) em Águeda, com apoio da Câmara Municipal.
“Este é um grande passo. Temos a oficina e os nossos projetos divididos entre as nossas casas. Será um ponto de viragem para desenvolver projetos e trabalharmos cada vez melhor”, diz César Pereira.
Catarina Cerca