Manuel Martins, atual presidente da Junta de Freguesia da Palhaça, é o candidato oficial da UPOB. A maioria da atual equipa acompanha Manuel Martins, que foi apresentado, no passado sábado, no auditório da sede da ADREP. Um espaço que foi pequeno para todos os palhacenses e oliveirenses que assistiram à cerimónia de apresentação de Manuel Augusto Martins.
Manuel Augusto, perante uma sala cheia de pessoas conhecidas, fez questão de frisar que “sem uma equipa boa, não há candidatos bons” e que a partir do dia “a seguir às eleições, estaremos todos juntos pela Palhaça”, sublinhando que esta candidatura, pela lista independente, “foi uma opção consciente, baseada nos valores da lealdade e do trabalho realizado”. A equipa que companha Manuel Martins “não está ainda fechada”, mas fez questão de dar a conhecer aos presentes um conjunto de colaboradores com quem contará.
O candidato agradeceu ainda a confiança que lhe têm transmitido, relembrando que faz a sua candidatura “pela Palhaça”. Agradeceu ao Movimento UPOB, por se ter lembrado dele, e pelo trabalho que tem vindo a fazer.
António Bernardo, atual presidente da Assembleia de Freguesia e que fará parte da equipa de Manuel Augusto, elogiou publicamente o trabalho já efetuado por Manuel Augusto, reforçando a vontade de trabalhar mais quatro anos em conjunto pela Palhaça.

Política mais participada. Antes da apresentação de Manuel Augusto Martins, o presidente da Assembleia Geral da UPOB, e candidato à presidência da Assembleia Municipal, Armando Humberto Pinto, deu as boas-vindas a todos e referiu “a vontade de uma política mais participada e mais exigente”, salientando que “essa é a cultura que pretende transmitir no concelho de Oliveira do Bairro”.

Novo ciclo. Fernando Silva, candidato à presidência da Câmara, que discursou antes de Manuel Augusto Martins e de forma emocionada – o seu pai foi presidente da Junta da Palhaça-, começou por afirmar que, “com os dois a presidir aos respetivos órgãos, a Palhaça terá um novo ciclo de desenvolvimento, numa filosofia em que a necessidade de ampliação da zona industrial da Palhaça se conjuga com a melhoria das acessibilidades na freguesia”, mas referindo sempre que “esta lógica só é válida se tivermos dois princípios fundamentais: boas escolas e acesso aos cuidados de saúde”.