Se o sucesso de um evento se mede pelo número de pessoas presentes e o seu feedback positivo, então a lotação da 2.ª Gala de Gastronomia das Estrelas da Bairrada provou que há muitos interessados em conhecer melhor a riqueza da gastronomia e dos vinhos bairradinos.
Perto de centena e meia de convivas compareceram a esta segunda iniciativa promovida pelo Hotel Paraíso, no último sábado. Cinco Chefes da região mostraram o que valem, tendo sempre presente os produtos genuínos da nossa terra, nomeadamente o leitão da Bairrada, o negalho, o bacalhau e, na doçaria, o pastel de Águeda. Um elemento que fez a diferença, principalmente na apresentação e no empratamento, foi a utilização de flores comestíveis.
Começando pela entrada, foi apresentado pelo Chef Luís Gomes o prato “Bairrada Pura”. Seguiu-se o Chef Vítor Dias, com a sua “Foz do Mondego” (elementos principais: polvo, camarão e mexilhão). O prato de “Bacalhau e Alheira” foi da responsabilidade do Chef Diogo Pires. Já o Chef Miguel Rodrigues optou pelo “Duo Bairradino”, composto por leitão e negalho. Para terminar, uma sobremesa “Divinal”, onde o Chef José Marques colocou um pastel de Águeda no topo do bolo de chocolate.
A acompanhar esta panóplia de sabores, os vinhos e espumantes da região. Foram eles, por esta ordem: Declynio, Vinho Espumante Natural Baga Bairrada, do produtor Paulo Ferreira; Pai Abel 2015, Vinho Branco da Quinta das Bágeiras, do produtor Mário Sérgio; Volúpia 2016, Vinho Branco, das Caves São Domingos; Vinho Tinto Bairrada 2009, da Quinta do Cavaleiro, de Fernando Martins; e Samião, Vinho Espumante Rosé Bruto 2015, da Quinta Vale Cruz.
Para o final da noite estava reservada uma surpresa. O Hotel Paraíso convidou os brasileiros Waldeci Marreiros e Jonathas Alves (trabalham na pastelaria “Impacto”, nos Olivais, em Lisboa), para criarem um bolo com o logotipo da Gala Gastronómica e que depois foi degustado por quem mostrou vontade disso. “Pretendemos, com este tipo de convites, que pessoas de fora venham à região da Bairrada mostrar o seu trabalho”, explicou Gustavo Maia.

 

Ler mais na edição impressa ou digital