Os documentos de prestação de contas do Executivo Municipal de  Cantanhede foram aprovados na Assembleia Municipal, no passado dia 30, com 27 votos a favor, cinco contra e uma abstenção.
A propósito dos documentos, a presidente de Câmara, Helena Teodósio,  referiu que “o equilíbrio económico financeiro da Câmara de Cantanhede é uma opção, sem a qual estaríamos a comprometer a sustentabilidade da atividade camarária, e é uma opção que tem ainda maior significado se considerarmos que os excelentes resultados evidenciados no Relatório de Gestão de 2018 foram obtidos num período em que se avançou com um número significativo de obras e intervenções”.
A líder do executivo camarário referia-se a “um assinalável incremento da atividade camarária que, não obstante o esforço financeiro realizado, foi gerido de forma muito assertiva, como aliás se pode concluir das contas do exercício de 2018, onde se destaca “um resultado líquido de 4.646.859 euros, mais cerca de 70% em relação ao de 2017, e o acréscimo dos fundos próprios em 5,6 milhões de euros, para 92,1 milhões de euros”.
Por outro lado, afirma a autarca, “a opção em assegurar o equilíbrio económico financeiro numa fase de forte investimento está bem patente na poupança corrente conseguida, no valor de 7.296.274 euros, que foi canalizado para despesas de capital (investimento), comprovando assim “a eficiência na gestão das operações e do efetivo controlo orçamental da despesa”.

 

Ler mais na edição impressa ou digital