O Agrupamento de Escolas de Anadia é, desde a última semana, gerido por uma Comissão Administrativa Provisória (CAP), liderada pelo docente Aníbal Marques.
O professor, que nos últimos quatro anos foi adjunto na direção do Agrupamento, sucede ao docente Jorge Humberto Pereira que, no final do mandato de quatro anos, não se quis recandidatar ao cargo de diretor.
 
Balanço positivo
Com o terminus do mandato, o Conselho Geral avançou para um processo eleitoral que acabou por não ter o desfecho desejável, já que apenas apareceu uma candidata que, não fazendo parte dos quadros, acabou por não ser eleita.
“A minha ambição nunca foi ser diretor e continuo a achar que o Dr. Jorge Humberto deveria ter continuado porque estava a fazer um bom trabalho”, diz Aníbal Marques que, em jeito de balanço, faz uma avaliação muito positiva do anterior mandato, pelo que o projeto será agora “de continuidade”.
O docente não deixa de recordar a mudança para as novas instalações, onde foi necessário começar praticamente do zero: criar rotinas, estabelecer procedimentos, formas de estar e de ser. “Fizemos uma espécie de manual de instruções de raiz para que tudo corresse bem”, lembra, lamentando que Jorge Humberto tenha expressado vontade de não ser reconduzido, por razões pessoais.
 
Ler mais na edição impressa ou digital