Está a decorrer desde o dia 14 de outubro a empreitada de reabilitação arquitetónica e urbanística da área ocupada pelas antigas instalações da Escola Técnico Profissional de Cantanhede (ETPC), segundo um projeto que contempla a reabilitação e adaptação da Casa Municipal da Cultura. Numa fase em que foram já demolidas algumas paredes da ex-ETPC, vão agora ser cuidadosamente retiradas as colunas e as cantarias do alpendre da parte posterior da Casa Municipal da Cultura, para serem depois recolocadas no mesmo lugar, de modo a que o seu valor patrimonial seja salvaguardado em condições construtivas de estabilidade e segurança, até porque funcionará como elemento configurador da justaposição dos dois imóveis.
Assim, o alpendre será reposto na totalidade, preservando-se “uma memória urbana através da continuidade da sua materialidade”, princípio que de resto o projeto de arquitetura respeita integralmente, como acontece com outros elementos patrimoniais da Casa Municipal da Cultura, incluindo os antigos tetos trabalhados e os painéis de azulejos e descobertos recentemente numa das salas do piso superior.
 Adjudicada por 1.901.640 euros, nesta empreitada o projeto de arquitetura preconiza a integração funcional do novo edifício com a Casa Municipal da Cultura, de modo a dignificar e revitalizar uma área construtiva com significativa expressão e a dotar com duas frentes urbanas qualificadas aquela que é uma das principais zonas nobres da cidade.

 

Ler mais na edição impressa ou digital