A CP-Comboios de Portugal, em parceria com a Câmara de Águeda, vai realizar duas viagens do Comboio Histórico a Vapor, na Linha do Vouga, nos dias 14 e 21 dezembro, com partida da estação de Aveiro às 09h00.

A composição chegará a Águeda por volta das 9h56 e terá partida prevista para as 10h11, chegando a Macinhata do Vouga para visita ao Núcleo Museológico de Macinhata do Vouga, a partir das 10h43. No sentido inverso, o comboio terá partida de Macinhata do Vouga às 12h15, com paragem por Águeda entre as 12h45 e as 13h05 e chegada a Aveiro às 14h06.

Os bilhetes estão à venda para os dias 14 e 21 e custam 30 euros para adultos e 16 para crianças.

Comboio Histórico a Vapor na Linha do Vouga

O Comboio Histórico do Vouga é um produto histórico da CP, direcionado para o segmento do turismo. Trata-se do único comboio histórico de via estreita e nos próximos sábados, 14 e 21 de dezembro vai ser efetuado com a Locomotiva E214, construída pela Henschel & Sohn, cuja caldeira é ainda alimentada a carvão. A composição tem 144 lugares sentados, distribuídos pelas três carruagens históricas: uma de origem belga de 1908, outra fabricada na Alemanha em 1925 e uma construída pelos Caminhos de Ferro do Estado, nas Oficinas do Porto, em 1913. A CP assegura a realização do comboio, enquanto a animação musical, a oferta de produtos da região e a visita guiada ao Museu são contributos da Câmara de Águeda e Junta de Freguesia de Macinhata do Vouga.

A Linha do Vouga e a Locomotiva E214

Construída no início do século XX, a então designada “Linha do Vale do Vouga” foi considerada um importante investimento na região, quer do ponto de vista social quer económico. As caraterísticas da zona geográfica onde se inseria a linha, obrigaram à construção de uma via com um perfil bastante acidentado e sinuoso, motivo que levou à adoção da bitola métrica. O primeiro troço, entre Espinho e Oliveira de Azeméis, foi inaugurado a 21 de dezembro de 1908, enquanto o Ramal de Aveiro foi inaugurado cerca de três mais tarde, a 8 de setembro de 1911.

A locomotiva a vapor E214, recuperada em 2017, no parque oficinal da EMEF, integrou, inicialmente, a série E201 a 216 e foi fabricada pela casa alemã Henschel & Sohn para os caminhos de ferro do Minho e Douro, assegurando o serviço na Linha de Trás os Montes. Duas destas locomotivas foram posteriormente alugadas à Companhia do Vale do Vouga, mantendo-se em circulação e a E214 assegurou o serviço na Linha do Corgo, até 1988. Dotadas de sistema Mallet eram máquinas “compound” de quatro cilindros, todos exteriores e, embora destinadas a comboios de mercadorias, pelo seu grande poder de tração, asseguraram também comboios de passageiros.