A dois dias da prevista hasta pública (dia 13) para que a Câmara da Mealhada venda a totalidade do capital que detém da Escola Profissional Vascocellos Lebre (EPVL), o Bloco de Esquerda pede a suspensão imediata do negócio, alegando que “todo este processo deve ser parado de imediato até que a autarquia explique tudo: o porquê de ter adquirido a escola, quanto custou essa opção e quanto dinheiro de município foi colocado nesta escola durante os últimos meses”, assim como “qual era a situação financeira na altura da compra da Escola e qual a situação agora” e se “foi utilizado dinheiro público para ‘limpar’ a situação financeira da Escola antes da venda”.

Neste conjunto de perguntas, em comunicado, os bloquistas da Mealhada garantem que “quem não deve não teme”, defendendo que “primeiro de tudo, a autarquia tem de prestar esclarecimentos à população. As pressas acabam sempre por beneficiar um privado qualquer, que se aproveita para encher os cofres à custa do erário público”.

Recorde aqui este assunto quando foi a reunião de Câmara.