A Câmara Municipal da Mealhada apresentou, ontem, queixa na Guarda Nacional Republicana, contra desconhecidos, por depósito ilegal de lixo e vandalismo no jardim do Lago do Luso.

Em causa está a deposição dos vulgarmente chamados monos. Nas madrugadas de terça-feira e ontem foram abandonados sofás, um banco, um colchão, cadeiras, bicicletas, um tampão de jante de automóvel e isqueiros em pleno passadiço que circunda o Lago do Luso. Para o fazerem, os prevaricadores danificaram algumas peças de vedação que dão acesso ao passadiço.

Recorde-se que a Câmara Municipal da Mealhada dispõe do serviço de recolha de monos. Os munícipes podem entregar estes haveres de que já não necessitam (eletrodomésticos, mobiliário, etc.) junto do Ecocentro, no Estaleiro Municipal, de segunda a sexta-feira, entre as 9h e as 12h30 e  entre as 13h30 e as 17h. Em alternativa, podem solicitar a recolha ao domicílio, que acontece na última quinta-feira de cada mês, pelo telefone 231 200 980 ou pelo e-mail. aguas@cm-mealhada.pt.

A Câmara Municipal da Mealhada repudia, de forma veemente, tal acto, que não foi o primeiro, pelo que apresentou queixa às autoridades, e apela ao civismo da população. “Há pessoas que estão logo na primeira linha para criticar a mais pequena falha das instituições, mas depois, contraditoriamente, têm estes comportamentos de manifesta falta de civismo, que prejudicam os interesses da vila termal e turística do Luso. Assim, é difícil!”, afirma o presidente do Município, Rui Marqueiro.