O Museu do Vinho Bairrada, em Anadia, comemora este domingo, 27 de setembro, o seu 17º aniversário. Este ano, devido aos constrangimentos provocados pela pandemia do Covid-19, o programa das comemorações da efeméride teve de ser adiado, tendo em conta as normas de segurança emanadas pela Direção-Geral de Saúde.

Ao longo destes 17 anos de vida, este espaço museológico tem vindo a desenvolver uma colaboração multissetorial nas áreas da defesa e valorização do património secular da região, sempre com o intuito de promover e divulgar a marca territorial Bairrada.

Atualmente, o Museu do Vinho Bairrada acolhe uma multiplicidade de tipologias de espólios de elevado interesse histórico, nomeadamente bens de cariz arqueológico, bibliográfico, arquivístico, técnico-científico e industrial, etnográfico, entre outros. Este espólio resulta da colaboração do Município de Anadia com inúmeros particulares e instituições públicas e privadas.

De entre os vários artefactos expostos é de salientar a primeira maquinaria de espumantes utilizada em Portugal (finais do século XIX) para a produção do Espumante. O espaço acolhe ainda um conjunto de coleções, designadamente, uma das maiores coleções mundiais de saca-rolhas (Adolfo Roque), a maior coleção nacional de tamboladeiras em prata desde o século XVIII até à atualidade (Comandante José Rafeiro), e ainda uma enorme coleção de rótulos de vinho, cartazes publicitários e garrafas representativas da história secular da Bairrada.

De salientar que, no acervo do Museu, e na sua exposição de longa duração encontra-se ainda um conjunto diversificado de equipamentos e vidraria secular, bem como uma vasta coleção de obras de arte contemporânea, onde se incluem algumas das maiores telas alusivas à temática do vinho alguma vez concebidas em Portugal.

Para além da exposição permanente denominada de “Percurso do Vinho”, o Museu tem recebido, ao longo destes 17 anos, no seu espaço dedicado às exposições temporárias, um conjunto de artistas plásticos de renome nacional e internacional, como Júlio Pomar; Nadir Afonso (aqui teve lugar a sua última exposição em vida), Manuel Cargaleiro, Cruzeiro Seixas, Amália Rodrigues, Siza Vieira, Fernanda Fragateiro, entre outros, a que se junta também a presença de grandes vultos da escrita e da cultura portuguesa que deixaram os seus honrosos registos e testemunhos criativos nos catálogos/livros do Museu, tais como: Valter Hugo Mãe, José-Augusto França, Irene Pimentel, Agustina Bessa Luís, Alexandra Lucas Coelho e muitos outros.

Por aquele espaço museológico, fruto de parcerias nacionais e internacionais com museus congéneres, também já passaram obras de arte de alguns dos maiores nomes da história da Arte, tais como, Pablo Picasso, Chagall, Mel Ramos e muitos outros grandes artistas plásticos, dando a Anadia e à Bairrada uma dimensão Internacional neste projeto museológico.

“O Museu do Vinho Bairrada tem procurado sempre salvaguardar o património material e imaterial desta região vitivinícola, através da concretização de um conjunto de ações de cariz técnico, formativo, cultural e lúdico para que essa missão estratégica se concretize e se reforce continuamente, sempre com o objetivo de se criarem condições para a construção de novas e profícuas pontes para a permanente participação da comunidade e dos bairradinos”, diz nota da instituição.

O Museu do Vinho Bairrada encontra-se aberto ao público de terça a sexta-feira, entre as 10h e as 13h e das 14h às 180. Ao sábado e feriados, das 11h às 19h00. Está encerrado ao domingo e à segunda-feira.