Os 210 anos da Batalha do Buçaco serão comemorados, no dia 27 de setembro, com uma cerimónia reduzida ao mínimo e reservada apenas ao Exército e a convidados, devido à pandemia.

Em decisão conjunta das Câmaras da Mealhada, Mortágua e Penacova, com a Delegação de Saúde, a Fundação Mata do Bussaco, a GNR e o Exército Português, foi entendido ser mais seguro não se realizar a popular feira nas Portas de Sula, nem o tradicional desfile histórico-militar, assim como o concerto da Orquestra Ligeira do Exército, no Luso.

O Exército Português realizará apenas uma singela cerimónia protocolar e uma missa breve, momentos que estarão reservados apenas aos convidados do Exército.

Entretanto, Charles Bonaparte, descendente de Napoleão Bonaparte e presidente da Federação Europeia de Cidades Napoleónicas, estará na região e será recebido na Câmara de Penacova, no dia 26, seguindo depois para Mortágua para visitar o Centro de Interpretação da Batalha do Buçaco. No mesmo dia, já na Mata Nacional, plantará uma oliveira, símbolo da paz e da cooperação europeia, sendo recebido às 15h30, pela Câmara da Mealhada, no Convento de Santa Cruz.

O presidente da entidade responsável pela gestão do Destination Napoleon, um itinerário cultural europeu reconhecido pelo Conselho da Europa, será o convidado de honra numa conferência sobre a temática das Invasões Francesas (com transmissão online), que contará também com a participação de representantes do Turismo da Região espanhola de Castela e Leão, do Grupo de Arqueologia e Arte do Centro, Turismo de Portugal e Turismo do Centro e a Associação de Turismo Militar.

No dia 27, ao final do dia, no Museu Militar, Charles Bonaparte assinará o protocolo de integração do projeto europeu Interreg NAPOCTEP na Federação Europeia das Cidades Napoleónicas.