Foram encontrados ossos, roupa e restos de madeira supostamente de caixões num monte de terra à porta do Cemitério de Perrães, denunciou uma moradora local.

Susana Ferreira, que fotografou o local, na passada segunda-feira, insurgiu-se contra o achado macabro, criticando a atitude da Junta de Freguesia de Oiã, pedindo respeito pelos antepassados e suas famílias.

Aquela cidadã acusa que a situação tem acontecido de forma reiterada. “Já não é a primeira, nem segunda, nem terceira vez que isto acontece, já aconteceu com os corpos dos meus bisavós”, contou.

Entretanto, dado este alerta, o JB esteve no local no final da manhã de terça-feira e encontrou aquele aterro limpo e compactado. Questionámos Vítor Oliveira, presidente da Junta de Oiã, que não se alongou nos comentários à situação, admitindo que tal derivou de um “descuido de um funcionário” da Junta, que “imediatamente foi resolvido”.

Conheça os contornos e todas as reações a esta notícia na edição impressa desta quinta-feira ou então já na quarta-feira aqui.