Recortes.pt Leia no Recortes.pt

Arquivo | Destaque

Trabalho multimédia vale primeiro prémio  à turma de Artes da Secundária de Anadia

Trabalho multimédia vale primeiro prémio à turma de Artes da Secundária de Anadia

 

A Turma do 12.º C (Artes), da Escola Secundária de Anadia, foi a grande vencedora do concurso escolar José Luciano de Castro, promovido pela Câmara Municipal de Anadia.
A turma concorreu na secção de Artes Visuais com um inédito e arrojado trabalho multimédia, “José Luciano de Castro – QR Codes espalhados por Anadia”, arrecadando, sem dificuldade, o primeiro lugar.
A entrega de prémios teve lugar no passado dia 18, no salão nobre dos Paços do Concelho.
Nesta que foi a primeira edição do concurso, foram ainda distinguidas no 3.º CEB, na Secção de Escultura e Pintura, três alunas do Colégio Nossa Senhora da Assunção – Famalicão. Foram elas: Maria Matilde Dias Dinis, 8.º A, com o pseudónimo “Minnie”, Catarina Fernandes Lourenço, do 9.º B, com o pseudónimo “Safira” e Maria José Trindade Figueiredo Torres, 8.º C, com o pseudónimo “Laura.”
No total, apresentaram-se a concurso 21 trabalhos de alunos do 3.º ciclo do ensino básico e do ensino secundário dos estabelecimentos de ensino do concelho de Anadia. Mas não tendo sido submetidos a concurso quaisquer trabalhos nas secções de artes performativas e produções literárias, a disputa acabou por se centrar na área da escultura e pintura e no domínio das artes visuais.
Os trabalhos poderiam ter um caráter individual ou coletivo, e seriam atribuídos três prémios de 100 euros aos três melhores trabalhos apresentados em cada secção e por categoria.

Viajem no tempo. Na ocasião, o diretor de turma, professor Artur Costa, da Escola Secundária de Anadia referiu-se ao trabalho elaborado pela turma de Artes, que concorreu na categoria de Artes Visuais (produção multimédia). Trata-se de um projeto online, ou seja, todo o material gerado encontra-se disponível na internet, apenas sendo possível visualizá-lo com recurso a algum dispositivo eletrónico com acesso à internet, como um computador, um smartphone ou tablet.
“Os únicos vestígios visíveis do projeto são os pequenos códigos QR espalhados por alguns espaços públicos de Anadia e no espaço do Museu José Luciano de Castro”, explicaria.
Segundo o docente Artur Costa, “o objetivo foi aproveitar a potencialidade da utilização dos códigos QR em prol do Museu José Luciano de Castro, da Santa Casa de Misericórdia de Anadia”.
Para além da produção de audio-guias para que os visitantes do Museu pudessem, ouvindo, ser guiados por uma visita ao Museu (Português/Inglês), foi criado um site de suporte ao projeto, onde foram alojados os audio-guias e disponibilizados textos e informações recolhidas. O trabalho realizado por estes alunos permite ainda que fotografias antigas de Anadia, expostas no Museu José Luciano de Castro, possam ser vistas, utilizando o telemóvel, como são hoje em dias aquelas paisagens, edifícios, praças, etc.
“Uma coisa puxa à outra e , de repente, já estávamos a fazer também o contrário, a colocar códigos QR em certos locais de Anadia, onde o turista, o curioso, pode com o telemóvel viajar no tempo e ver como era aquele espaço antigamente, remetendo-o para a fotografia que se encontra exposta no Museu”.

Fusão de várias disciplinas. Também o docente Jorge Humberto, da direção do Agrupamento de Escolas de Anadia, partilharia o orgulho e satisfação no prémio, destacando a oferta formativa da ESA, na vertente das Artes, salientando que o trabalho vencedor “faz a fusão de várias áreas disciplinares: História, Arte, Multimédia, Turismo, Inglês, Português”. Um projeto que considerou de “excelência” e que ajuda a construir a imagem de marca da própria escola.

Iniciativas bastante profícuas. Na ocasião, a irmã Idalina Faneca, diretora pedagógica do Colégio Nossa Senhora da Assunção, salientaria a importância dos vários concursos promovidos pela Câmara Municipal e dirigidos aos vários estabelecimentos de ensino, felicitando alunos, professores e escolas pelos resultados obtidos.
Na sua opinião, “é através destas áreas que os alunos se desenvolvem imenso e as escolas progridem”, já que são desafios que estimulam alunos a criar.
Também Dário Tavares, diretor pedagógico dos Salesianos de Mogofores, se mostrou bastante satisfeito com os trabalhos e resultado do concurso, porque não só contribui para um maior conhecimento sobre José Luciano de Castro, mas porque também são “iniciativas destas que dão a conhecer as figuras ilustres do concelho”, acreditando que José Luciano de Castro ficaria muito satisfeito e orgulhoso com os trabalhos realizados.

Trabalhos brilhantes. A edil Teresa Cardoso recordou aos alunos, professores e pais presentes na cerimónia que terminava naquele dia o ciclo evocativo que o município de Anadia desenvolveu a propósito do centenário da morte do conselheiro, com o intuito de dar a conhecer a figura de José Luciano de Castro, bem como de estimular a curiosidade em torno da ação do estadista e da época histórica em que viveu (1834-1914).
A edil anadiense referiu-se ainda aos trabalhos apresentados como “brilhantes” e de grande qualidade: “uma agradável surpresa e tarefa árdua para o juri”.
Sublinhando que o concurso, na sua primeira edição, até tinha prémios modestos “face ao talento e qualidade dos trabalhos apresentados”, mostrou-se satisfeita com o enorme talento, empenho e dedicação dos alunos, mas também a dedicação dos professores, que dinamizaram e incentivaram os alunos.
A terminar, deixaria um desafio aos alunos de Artes da ESA. O excelente trabalho realizado poderá valer-lhes um outro desafio, agora feito diretamente pela presidente de Câmara: “talvez vos desafie para um outro trabalho sobre o tema Anadia na Rota do Espumante”, com vista a que seja estabelecida uma rota para este que é um dos produtos mais emblemáticos do concelho.
Os trabalhos em exposição podem ser apreciados na Câmara Municipal até ao próximo dia 27 de março, de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 13h e das 14h às 17h30.
Catarina Cerca
catarina@jb.pt

Posted in Anadia, Destaque, Por Terras da Bairrada0 Comentários

Alunos do IPB ganharam a taça no Jamor

A equipa do Instituto Profissional da Bairrada (IPB) subiu ao lugar mais alto do pódio, para receber da mão do Secretário de Estado do Ensino Básico e Secundário, Fernando Egídio Reis, a condecoração do primeiro lugar no concurso/competição Rally das Qualificações.
Este encontro nacional, que decorreu no passado dia 20 de março, contou com a presença de alunos e professores do IPB, que se deslocaram ao Centro Desportivo do Jamor para comemorarem o Dia do Ensino Profissional de uma forma competitiva e saudável. Esta atividade, de amplitude nacional, levou dezenas de escolas e milhares de alunos de cursos profissionais de todo o país a aderir a esta ação.
De acordo com o diretor do IPB, Nuno Santos, “o Rally das Qualificações consistiu na realização de cinco desafios de índole físico e inteletual, que envolveram competências e capacidades que são potenciadas pelo modelo do ensino profissional”. “Estas tarefas, ultrapassadas com sucesso pelos elementos da equipa – Aléxis Conceição, Ricardo Pedro, Igor Cavadas e João Pinho – estavam sempre suportadas em duas etapas – teórica e prática”, explicou o diretor do IPB, salientando que “de entre outras atividades, fica o exemplo da montagem de circuito elétrico usando uma fonte de energia química (limão), com o objetivo de acender um LED, assim como a identificação dos parafusos adequados para o aperto de um pneu e efetuar a montagem do mesmo”.
Nuno Santos refere ainda que “para os alunos, do Curso Profissional – Técnico de Eletrónica, Automação e Comando, que estão no primeiro ano de formação, foi um dia de destaque, simultaneamente divertido e competitivo”. Por isso, afirma que “estão de parabéns as entidades organizadoras, nomeadamente a ANQEP – Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional, representada por onçalo Xufre, que presenciou a entrega de prémios, pela iniciativa”.
Diz que foi sem dúvida, “um dia excelente para a promoção do dinamismo e empreendedorismo, características marcantes das modalidades profissionalizantes e valorizadas pelo mercado de trabalho”.

Posted in Destaque, Oliveira do Bairro, Por Terras da Bairrada0 Comentários

Centro de Enfermagem Comendador Almeida Roque inaugurado nos 41 anos dos Bombeiros

Os Bombeiros Voluntários de Oliveira do Bairro, no dia em que assinalaram o 41.º aniversário, inauguraram o Centro de Enfermagem Comendador Almeida Roque. Uma obra destinada a toda a população, que foi pensada em 2011, mas que só agora viu a luz do dia.
O presidente da direção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Oliveira do Bairro, Nunes Cardoso, durante a sessão solene, começou por destacar a inauguração do Centro de Enfermagem. “Com este ato, culminámos um longo processo com origem em 2001, aquando do lançamento da 1.ª pedra para a construção deste Quartel na comemoração do 27.º aniversário, momento em que o Comendador Almeida Roque, usando da palavra na sessão solene, fez questão de anunciar uma nova e notável oferta de 5000 contos, para equipamento de uma sala ligada aos cuidados de saúde, pois que, no seu entender, os bombeiros devem estar cada vez mais preparados para a prestação de serviços sociais no âmbito da saúde”, afirmou Nunes Cardoso, acrescentando que, “ em 2004, na inauguração destas instalações, integrada na comemoração do 30.º aniversário da Associação Humanitária, o Comendador concretizou aquela oferta com a entrega de 25000 euros”. “A Associação ficou perante um desafio para o qual tinha de se preparar e responder”, pelo que “depois de ultrapassadas dificuldades diversas, sobretudo, na obtenção da necessária licença de utilização de espaço cujo processo se arrastou por vários anos, aqui nos encontramos hoje para procedermos à inauguração do Centro de Enfermagem, ao qual demos o nome de Comendador Almeida Roque”, afirmou o presidente da direção, Nunes Cardoso.

Leia mais na versão digital do seu JB.

Posted in Destaque, Oliveira do Bairro, Por Terras da Bairrada0 Comentários

500 anos de Foral Manuelino, em Vilarinho do Bairro: Vem aí um ano repleto de comemorações

500 anos de Foral Manuelino, em Vilarinho do Bairro: Vem aí um ano repleto de comemorações

 

Quinhentos anos de Foral Manuelino serviram de mote à sessão inaugural das comemorações na freguesia de Vilarinho do Bairro. As comemorações, que se irão prolongar ao longo do ano, tiveram início na última sexta-feira, dia 6 de março, na sede da Junta de Freguesia. Foram vários os fregueses, amigos, autarcas e vereadores que se juntaram no auditório da Junta de Freguesia precisamente no dia em que Vilarinho do Bairro recebeu, há 500 anos, carta de foral.

Ano de eventos. Entre momentos musicais, exemplarmente interpretados por Susana Loureiro, a primeira intervenção coube ao presidente da Junta de Freguesia. Carlos Dinis Torres deu a conhecer a todos um ano de 2015 repleto de comemorações.
Assim, vem aí uma Ceia Quinhentista, numa organização conjunta entre a Junta de Freguesia e o Centro Cultural e Recreativo da Poutena; uma Feira Quinhentista, a organizar pela Junta de Freguesia; um Rally-paper que terá como organizadora a Associação Cultural e Recreativa da Quinta do Perdigão; um Cicloturismo a realizar pela Junta de Freguesia e mais lá para o final do ano, a cerimónia de encerramento das comemorações.
Para já, as comemorações estão a ser assinaladas na freguesia com a colocação, em locais estratégicos, de outdoors que assinalam os 500 anos de Foral Manuelino.
No âmbito desta celebração, a Junta de Freguesia descerrou um painel alusivo ao Foral (produzido no âmbito das aulas de pintura cerâmica da Universidade Sénior da Curia) e apresentou um espumante comemorativo, com rótulo alusivo ao Foral. São 500 garrafas (de produtores da freguesia) de espumante branco bruto, todas elas numeradas e que podem ser adquiridas na Junta de Freguesia.
Lição sobre forais. Com o auditório repleto, caberia ao professor António Seiça, falar dos forais e deste em especial.
Licenciado em História, António Seiça explicou o que era um foral e a sua importância. Por outro lado, realçou que “os forais foram determinantes na consolidação das fronteiras perante ameaças externas”, fazendo ainda a diferença entre forais antigos ou medievais e forais novos ou manuelinos, assim como lendo/traduzindo pequenos excertos do foral da freguesia.
Na ocasião, o padre Nicolau Barroqueiro, pároco da freguesia, comparou os forais e o poder local que, nos dias de hoje, se deve pautar pelo bem comum. Numa mensagem de fé e de esperança, desejou que os autarcas “levem a bom porto” o seu trabalho, pois são o poder que está mais próximo das populações e que melhor as pode servir: “quem está mais longe tem mais dificuldades em acertar”, diria.
Vencer comodismos, “areias que entram na engrenagem”, foram alguns dos recados e alertas que também deixou.

Desafios e parcerias. Presente no evento, a edil Teresa Cardoso destacou como estes momentos devem servir para fazer uma reflexão, mas também servem para dar a conhecer todos aqueles que ajudaram a construir a freguesia. Ainda que hoje não haja forais, a presidente de Câmara alertou para as inúmeras leis, acordos, contratos de execução que obrigam a uma intervenção completamente diferente. E, reconhecendo que o papel dos autarcas locais é importante porque são os que estão mais próximos do cidadão e aqueles que conhecem bem mais de perto a necessidade das populações, destacou a importância destes enquanto “parceiros” da Câmara Municipal.
Na ocasião, parabenizou a JF pelo programa de comemorações que, acredita, irá “criar esse espírito de união em torno desta comemoração na freguesia”.
A terminar, Altino Cruz, presidente da Assembleia de Freguesia local, recordaria ainda que em 1853, Vilarinho do Bairro era colocada em definitivo no concelho de Anadia, perdendo a sua autonomia. “Uma freguesia com excelentes terrenos para o exercício da agricultura, comércio e indústria”, disse, destacando que sendo os tempos de hoje diferentes e mais exigentes, é imperativo servir os outros com isenção, lealdade e rigor e transparência, acrescentando ser necessário um olhar mais atento para o mundo rural, esquecido pelo poder central.
Catarina Cerca

Posted in Anadia, Destaque, Por Terras da Bairrada0 Comentários

Oliveira do Bairro: Multas até 2500 euros para quem sujar espaços públicos

Oliveira do Bairro: Multas até 2500 euros para quem sujar espaços públicos

A Câmara Municipal de Oliveira do Bairro vai multar todas as pessoas que prejudiquem o ambiente ou a higiene e limpeza pública, designadamente nas estradas, arruamentos, passeios, praças, parques, jardins e outros lugares públicos. Os donos de animais devem remover imediatamente os dejetos produzidos por estes animais nas vias ou noutros espaços públicos. As contraordenações vão dos 25 aos 2500 euros.
A Câmara Municipal pretende, desta forma, adotar medidas que visem despertar mudanças de atitudes e comportamentos cívicos dos cidadãos para a higiene pública, designadamente o asseio e limpeza dos arruamentos, passeios e outros espaços públicos. Por exemplo, os titulares de veículos ficam proibidos de os deixar abandonados na via pública.
A fiscalização do regulamento de limpeza deverá ser feito pelas autoridades policiais e fiscalização municipal, assim como os trabalhadores municipais, no exercício das suas funções, sempre que verifiquem infrações devem participá-las às entidades competentes.

A proposta de regulamento municipal de limpeza pública de Oliveira do Bairro foi aprovada por unanimidade na última Assembleia Municipal de Oliveira do Bairro, após proposta de alteração apresentada pelo CDS/PP e apoiada pelo PSD, nomeadamente nas cláusulas que obrigam a autarquia a notificar os infratores em determinadas situações.

Qualquer violação do regulamento constitui uma contraordenação, que pode ser alvo de coima de 25 a 250 euros, sendo que em caso de negligência, os limites mínimos e máximos das coimas serão reduzidos a metade. O produto das coimas previstas reverte, na sua globalidade, para o município de Oliveira do Bairro.

Pedro Fontes da Costa
pedro@jb.pt

Leia a reportagem completa na edição de 5 de março de 2015 do JB

Posted in Destaque, Oliveira do Bairro, Por Terras da Bairrada0 Comentários

Sangalhos: Construção da Pista de BMX sofre vários reveses

Sangalhos: Construção da Pista de BMX sofre vários reveses

A pista olímpica de BMX de Sangalhos, (orçada em cerca de 400 mil euros) junto ao Velódromo Nacional, desde o início da sua construção, foi tudo menos consensual. Aliás, desde o lançamento da primeira pedra, em setembro de 2013, foram já os vários reveses que a obra sofreu, inviabilizando a sua conclusão no prazo inicialmente definido.
Lançada a primeira pedra, em cerimónia com toda a pompa e circunstância (em vésperas de eleições autárquicas), houve a necessidade de avançar para um segundo concurso público, depois do primeiro ter falhado.
Seguiu-se, mais tarde, a necessidade de remodelar o projeto da pista e agora, mais recentemente, dificuldades na aquisição das restantes parcelas de terreno para a implantação da pista.

Aumento da pista. Uma enorme dor de cabeça para a Câmara Municipal de Anadia que, para além de se ver obrigada a dar cumprimento à nova regulamentação internacional imposta pela UCI (União Ciclista Internacional), que exige o aumento da área para a construção da pista de BMX, está com dificuldades nas negociações dos terrenos.
De acordo com as atas das reuniões do executivo de 5 de novembro e de 10 de dezembro de 2014, a autarquia tem andado às voltas com a aquisição de duas parcelas não havendo entendimento quanto ao valor a atribuir pelas mesmas.
Uma situação que se prende com o facto de se ter registado alteração nas regras internacionais sobre este género de pistas. A autarquia anadiense teve de reformular o seu projeto inicial e redimensionar a extensão da pista, já que a UCI “veio dar novas orientações” para a sua construção, nomeadamente o aumento da área de implantação.

Negociação difícil. Segundo sabemos, foi necessário aumentar 30 metros à pista e, não tendo a autarquia terreno suficiente para dar cumprimento a essas orientações, viu-se obrigada a efetuar a aquisição de mais parcelas de terreno. Um novo revés na construção da obra, já que a aquisição de novos terrenos não tem sido uma tarefa fácil.
Num processo que ainda não terminou e em relação ao qual, apesar da insistência do JB, a edil Teresa Cardoso declinou dar mais explicações, JB sabe que entre compras e expropriações, a obra será oportunamente candidatada a fundos comunitários.
Questionada na última assembleia municipal, de 28 de fevereiro, pelo deputado Artur Salvador, do PSD, sobre esta matéria, a presidente explicou que “a obra não está a concurso” e que, face ao atraso, o executivo está “a tentar enquadrar a Pista numa candidatura ao próximo Quadro Comunitário”.
De qualquer forma, depois de lançada a primeira pedra nesta obra, em setembro de 2013, devendo a mesma ter ficado concluída no verão de 2014, a verdade é que no final do primeiro trimestre de 2015, a sua conclusão está longe do fim.
Esta será a primeira pista olímpica de BMX em Portugal. A pretensão da Câmara Municipal é concentrar no Velódromo Nacional todas as modalidades relacionadas com o ciclismo, ficando este equipamento capacitado para a realização de competições internacionais e nacionais.
Aquando da inauguração do Centro Escolar de Sangalhos, o vice-presidente da autarquia anadiense, Jorge Sampaio, explicou que a primeira reta da pista, por exemplo, tem mais 30 metros e que sendo esta a primeira pista, em Portugal, com as dimensões e especificidades técnicas olímpicas, estão já a ser estabelecidos contactos com outros países interessados em fazer aqui estágios.
Catarina Cerca
catarina@jb.pt

Posted in Destaque0 Comentários

Anadia e Mealhada demarcam-se na BTL

Anadia e Mealhada demarcam-se na BTL

 

Os municípios de Anadia e da Mealhada foram os únicos da Bairrada com stand próprio na BTL 2015 (Feira Internacional de Turismo de Lisboa). Anadia promoveu a imagem de “Anadia Capital do Espumante”, com enfoque para a vitivinicultura, gastronomia, termalismo e desporto. A Mealhada deu especial destaque às 4 maravilhas (pão, água, vinho e leitão).
O certame decorreu de 25 de fevereiro a 1 de março, na FIL, no Parque das Nações, em Lisboa.
Com stands próprios, as duas autarquias bairradinas promoveram e divulgaram o que de melhor podem oferecer aos visitantes e turistas. Enquanto que a Mealhada se centrou nas suas quatro maravilhas, o município de Anadia promoveu a imagem de “Anadia Capital do Espumante”, onde a vitivinicultura, a gastronomia e o termalismo ganham destaque entre as riquezas do concelho. As Termas de Vale da Mó e as Termas da Curia estiveram em evidência, juntamente com a Feira da Vinha e do Vinho, que irá decorrer em Anadia, de 20 a 29 de junho. O stand foi ainda um ponto de encontro e de divulgação dos produtos e serviços dos hoteleiros e produtores de vinho de Anadia, que manifestaram o seu interesse em colaborar na afirmação do concelho no panorama turístico nacional e internacional.
Na quinta-feira, dia 26, JB acompanhou uma comitiva que integrou vereadores, deputados municipais e presidentes de Juntas de Freguesia, que se deslocaram, a convite da Câmara Municipal de Anadia, ao certame. Na ocasião, a edil Teresa Cardoso mostrou-se muito satisfeita com o evento. “Anadia só tem a ganhar em estar presente coletiva e individualmente nesta mostra”, sublinhando, por isso, haver “espaço para ambas as situações”. Admitindo que, se por um lado é fundamental estar em conjunto com a CIRA, “unidos e a trabalhar num projeto de turismo comum para a região de Aveiro”, defendeu ser igualmente importante estar presente de uma forma individualizada para “promover as nossas termas da Curia e Vale da Mó, a nossa oferta hoteleira e os nossos vinhos, especialmente o espumante reforçando cada vez mais a mensagem de Anadia Capital do Espumante”. “No stand do TCP, os municípios mais pequenos perdem visibilidade” e como na sua opinião “quem não é visto, não é lembrado”, vê o stand de Anadia como “uma aposta ganha”, fruto de um investimento “de um município que está determinado em fazer uma aposta firme no turismo”. Portanto, “tudo o que fizermos para nos mostrarmos e der visibilidade à nossa região é benéfico”, concluiu.

Município de Vagos apresenta projeto inovador para recuperar casas gandarezas

No dia 26, ao JB, o autarca Silvério Regalado, falou dos projetos que o seu município apresentou no stand do TCP.
“O balanço para já é extremamente positivo. Nós apresentamos aqui dois projetos diferentes. Um que ainda não saiu do papel, que é uma intenção do município – um projeto que saiu da Universidade de Aveiro e que está a ser estudado com a CCDR Centro para ser implementado no terreno e que faz a ligação entre o nosso turismo de sol e mar com a nossa identidade gandareza, mais rural. Ou seja, a ligação entre a ruralidade e o mar no sentido de aproveitamento turístico, que terá como primeira ação obter financiamento para a recuperação e criação de uma rede de casas gandarezas, para que se possa fazer o aproveitamento desta riqueza histórica, cultural e arquitetónica que temos na casa gandareza, fazendo a sua ligação ao turismo de sol, mar e ria. Por outro lado, trouxemos aqui um projeto já consolidado, que é o Museu do Brincar. Um projeto que em três anos recebeu mais de 55 mil visitantes. Um projeto que tem muito a dar à região porque é único no país e é o encarar de uma forma diferente o que é um museu. Trata-se do Museu do Brincar e não do brinquedo, o que faz toda a diferença. As crianças e adultos e seniores são convidados a brincar e a interagir com todas as peças que existem no museu. E depois trouxemos a representação das nossas confrarias: a Confraria das Favas, a Confraria da Abóbora e a Confraria das Saínhas, que vieram dar uma cor e alegria a este grande evento, mas também a representação do Mundial All Styles, que é um evento marcante na área do turismo desportivo e que completa as apostas do município nas suas diversas vertentes turísticas: cultural; religioso; desportivo; sol, mar e ria; de natureza.”

 

Posted in Anadia, Destaque, Mealhada, Por Terras da Bairrada, Vagos0 Comentários

Feira da Palhaça com novo espaço

Feira da Palhaça com novo espaço

O novo recinto da Feira da Palhaça, que custou 2,5 milhões de euros, foi inaugurado, na manhã de domingo, dia 1 de março. Um marco histórico para a freguesia e para o concelho. “Um espaço que há muito era ansiado pela população da Palhaça”, sublinhou o presidente da Assembleia de Freguesia da Palhaça, António Bernardo.

O presidente da Junta de Freguesia da Palhaça, Manuel Augusto Martins, começou por afirmar que “o homem sonha e a obra nasce” e que o espaço que agora se inaugura, que tem grande dignidade e grande dimensão, demorou 15 anos a ser uma realidade, tendo a compra dos terrenos começado no mandato do ex-presidente da Câmara Acílio Gala (CDS/PP).

O autarca da Palhaça sublinhou ainda que “se trata de uma obra que é um grande marco para a freguesia e para a história do concelho”, recordando o papel que os seus antecedentes (Manuel Carvalho, Fernando Tomé) tiveram em todo este processo.
Manuel Augusto deu ainda a conhecer que “a feira completará 300 anos no próximo dia 29 de junho, altura em que serão feitas as comemorações alusivas à efeméride”, esperando que todos os arranjos exteriores, nomeadamente os parques de estacionamento, estejam concluídos, já que “a essência deste espaço está feita e os clientes só vêm se tiverem local onde estacionar os carros”.

O presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Bairro, Mário João Oliveira, garantiu que os arranjos exteriores são para concluir, estando neste momento numa fase de consolidação.
O edil deu ainda a conhecer, sem revelar pormenores, que além das duas feiras mensais, o espaço poderá receber outras iniciativas.

A terminar o ato inaugural, antes da visita ao recinto da feira, o presidente da Assembleia Municipal, Manuel Nunes, destacou a luta “persistente e vincada” da Junta de Freguesia da Palhaça em todo este processo”, sublinhando que “o presidente da Junta da Palhaça deu continuidade aos que o antecederam, continuando a lutar e reivindicando este espaço”. “É preciso vencer muitas etapas e foi isso que a Câmara Municipal e a Junta de Freguesia fizeram”, afirmou.

Pedro Fontes da Costa
pedro@jb.pt

Leia a reportagem completa na edição de 5 de março de 2015 do JB

Posted in Destaque, Oliveira do Bairro, Palhaça, Por Terras da Bairrada0 Comentários

“O teatro é a arte por excelência do povo português”

“O teatro é a arte por excelência do povo português”

O teatro é a manifestação artística mais querida dos portugueses. “Ou porque já fizeram, ou porque experimentaram, ou porque já foram ao teatro – é a arte por excelência do povo português”, afirmou com plena convicção o ator Almeno Gonçalves. Na cafetaria do Quartel das Artes Dr. Alípio Sol, em Oliveira do Bairro, no dia 27 de fevereiro, e tendo como base de conversa “O teatro fora dos grandes centros”, o ator considerou que “há uma apetência muito grande do povo português para o teatro” e que fora dos grandes centros, “nota-se uma enorme vontade das pessoas de ir ao teatro”.
O segundo “Conversas ao Café”, fruto de uma parceria entre a Câmara Municipal de Oliveira do Bairro e o Jornal da Bairrada, com o apoio da Província FM, resultou numa agradável troca de ideias e a constatação de alguns contra-sensos. Como por exemplo, o facto de atualmente haver tantos e tão bons equipamentos culturais pelo país fora e tão pouco apoio à cultura.
O ator lamentou que a cultura seja, erradamente, “a primeira coisa onde as pessoas – e o próprio Estado – cortam”, mas congratulou-se pelo facto de haver câmaras municipais que apostam nesta área. “Um exemplo máximo é este equipamento onde nos encontramos – tendo tudo começado no Silveiro [Centro Cultural Élio Martins – UDRCS], numa pequena sala.” A amizade gerada com o presidente da União Desportiva do Silveiro, Paulo Martins “e a forma extraordinária como sempre fomos recebidos” ajudou a que Almeno Gonçalves, através da produtora Sola do Sapato, já cá tenha estado a promover dez espetáculos, quatro deles estreias, no papel de ator ou encenador.

“O teatro é a minha casa”

Ao longo de hora e meia de conversa, Almeno Gonçalves recordou momentos chave de um percurso com mais de 30 anos. É no teatro, em cima de um palco ou no papel de encenador, que se sente realizado, apesar de, pontualmente, passar para a frente das câmaras, participando em séries e telenovelas e com passagens também pelo cinema. “O teatro é a minha casa. Eu entro numa sala de espetáculos e reconheço tudo o que está ali. Na televisão é tudo mais frio, desde logo falta-nos a plateia. A energia que se estabelece num palco, entre os atores e o público é impagável, inebriante, fantástica.”
No dia 27 de março, Dia Mundial do Teatro, Almeno Gonçalves e a produtora Sola do Sapato regressam a Oliveira do Bairro, com a peça “Sílvia”, uma comédia onde o humor e a ternura se misturam e onde a protagonista é… uma cadela.

Leia a reportagem completa na edição de 5 de março de 2015 do Jornal da Bairrada

Posted in Destaque, Oliveira do Bairro, Por Terras da Bairrada0 Comentários

Expofacic já tem cartaz… sem Coldplay

Expofacic já tem cartaz… sem Coldplay

O famoso grupo brasileiro Natiruts, Xutos & Pontapés, Anselmo Ralph, Buraka Som Sistema, Dama e Miguel Araújo são os primeiros nomes já confirmados do programa de espetáculos da 25.ª Expofacic, entre 23 de julho e 2 de agosto. No ano em que o evento celebra as bodas de prata, a comissão organizadora garante que pelo palco do Parque Expo-Desportivo de S. Mateus vai passar o melhor cartaz de sempre, uma avaliação que pode ser desde já avançada porque a formalização da generalidade dos contratos está em vias de ser concluída, incluindo o de uma das bandas de maior sucesso do panorama da música internacional. O nome será revelado em breve, logo que estejam resolvidos pequenos detalhes da contratação, o que permite perspetivar de novo Cantanhede no roteiro dos maiores acontecimentos musicais do país.

Entretanto, a comissão organizadora da Expofacic já comunicou que são falsas as notícias publicadas em alguns órgãos de comunicação a dar conta da banda Coldplay no cartaz desta 25.ª edição.

“Trata-se de uma situação lamentável a que organização é completamente alheia, tanto mais que o programa de espetáculos está fechado e dele não consta a referida banda britânica. Acresce que, no atual contexto, a vinda dos Colplay à Expofacic afigura-se como uma impossibilidade, na medida em que o elevado custo de uma banda desta natureza é manifestamente incomportável para o seu orçamento, além de que a logística necessária exigiria alterações substanciais no figurino e na organização do certame”, avança nota da comissão organizadora.

Posted in Cantanhede, Destaque, Por Terras da Bairrada0 Comentários

SFImobiliaria

Pergunta da semana

Portugueses praticam cada vez mais exercício ao ar livre. É o seu caso?

View Results

Loading ... Loading ...
Newsletter Powered By : XYZScripts.com