A Câmara Municipal de Oliveira do Bairro aprovou, na quinta-feira, por maioria, com abstenção dos vereadores do CDS/PP e do PS, as Grandes Opções do Plano e Orçamento para 2011, no valor global de 38 milhões de euros.

A autarquia continuará a apostar na educação, através da construção de pólos escolares; na cultura, com a construção da Casa da Cultura e nas acessibilidades, investindo na construção da Alameda de Oliveira do Bairro.

Mário João Oliveira, presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Bairro, na quinta-feira, durante a reunião de Câmara onde foram aprovados os documentos, disse estarem reunidas as condições para manter válida a estratégia global, preconizada no compromisso assumido de trabalhar no sentido de “reforçar a mudança”.

O edil afirmou ainda que “pretende fazer do município de Oliveira do Bairro uma referência nacional de conciliação harmoniosa e inteligente entre o crescimento sustentado, ambiente e qualidade de vida, através da implementação de políticas de desenvolvimento local que promovam a requalificação urbana e constituam estímulo ao emprego e ao desenvolvimento económico sustentado”.

Justificou que “é um orçamento ambicioso, equilibrado e que integra investimentos expressivos em todas as freguesias, contemplando receitas elevadas provenientes do QREN”.

Mário João Oliveira fez questão de frisar que, apesar da conjunta e dos cortes nas transferências do Estado para as autarquias, “este orçamente aponta para 2011 o ano de maior execução física e financeira de que há memória em Oliveira do Bairro, no que diz respeito a obras”. “70% do valor destina-se a investimentos, apenas 30% é para despesas correntes”, acrescentou.

O autarca disse manter as apostas na educação e no reforço da identidade cultural, destacando a construção dos pólos escolares e a melhoria das acessibilidades e mobilidade urbana. “Assume particular destaque a construção da Alameda de Oliveira do Bairro e a Casa da Cultura Dr. Alípio Sol”, acrescentou.

O presidente da Câmara disse ainda que “vai continuar atento aos projectos estruturantes para Oliveira do Bairro, tais como o Palácio da Justiça, Centro de Saúde, Quartel da GNR e o nó da ligação à A1”.

Mário João Oliveira sublinhou “estar perante documentos de rigor, e um compromisso entre a moderação e o investimento ambicioso nas gerações do futuro”. “Saberemos estar à altura dos desafios que nos esperam, respondendo com eficiência e eficácia aos anseios dos nossos munícipes, fomentando uma política de proximidade e de incentivo”, disse.

Henrique Tomás, vereador do PS, que se absteve, disse ter algumas dúvidas “em relação ao retorno assegurado de parte do investimento previsto no orçamento”.

“Os tempos não são de nós ficarmos muito optimistas. Penso que temos algumas dúvidas em relação ao retorno assegurado de parte deste investimento. É nesse sentido que me parece que deva apresentar algumas reticências em relação ao profundo optimismo que envolve a apresentação deste documento”, acrescentou.

O vereador socialista fez questão de frisar que “o PS apoia o investimento da educação, no entanto, as nossas divergências são em termos do número de pólos escolares que vão ser construídos”. “O documento está bem elaborado. Mas vem um pouco ao arrepio daquilo que se passa a nível nacional”, referiu.

Jorge Mendonça, do CDS/PP, justificou a sua abstenção, afirmando ter dúvidas sobre a execução de algumas das obras que estão contempladas no orçamento, defendendo que “um dos pólos de Oiã não devia ser construído, dando lugar, sim, a uma piscina”.

Pedro Fontes da Costa
pedro@jb.pt