A Feira de Março abre hoje portas, em Aveiro, com cerca de 280 empresas de vários sectores, consolidando-se como “a maior montra económica da região”, anunciou a organização.

Segundo a AveiroExpo, empresa municipal promotora do certame, o número de empresas que aproveitam a Feira de Março para se mostrarem aumentou este ano cerca de sete por cento, apesar da crise.

“Isto é um sinal de que a Feira de Março está bastante viva”, disse à Lusa Diogo Machado, director executivo da AveiroExpo, que considera esta edição “uma das melhores de sempre em todos os sectores”.

O presidente da Câmara de Aveiro, Élio Maia (PSD/CDS-PP) sublinha que é nos momentos de crise, como o que se está a atravessar, que a Feira de Março “redobra de importância, quer para restaurar o ânimo das pessoas, quer ainda para gerar mais oportunidades de negócio”.

Apesar de contar já com 577 edições, o autarca diz que a Feira de Março é “moderna, competitiva e atrativa. Assim se justifica a longevidade que a distingue, bem como a resistência que demonstra ter nos períodos em que a inquietação financeira perturba a confiança da sociedade”, adianta Élio Maia.

Além dos tradicionais sectores de exposição, comercial e diversão, o certame apresenta também um cartaz musical.

A organização espera uma afluência superior aos 180 mil visitantes pagantes alcançados na última edição. “Esperamos um crescimento de 10 a 15 por cento, assim o tempo ajude”, diz Diogo Machado.

A Feira de Março pode ser visitada até ao dia 25 de Abril.

As entradas custam 1,50 euros, nos sábados, domingos e na segunda feira de Páscoa, sendo que o bilhete dá acesso aos concertos.

O sector das diversões e a zona comercial funcionam das 10:00 à 01:00 e a exposição das 16:00 às 23:00, de segunda a quinta feira, e das 14:00 às 24:00, à sexta feira e sábado. Nos domingos e na segunda-feira de Páscoa este sector encerra uma hora mais cedo.