Cerca de 80 trabalhadores da Associação de Trabalho Portuário (ETP) de Aveiro estão sem receber o subsídio de férias, informou o Sindicato dos Trabalhadores do Porto de Aveiro (STPA).

Em declarações à Lusa, Eduardo Marques, do STPA disse que estão a decorrer conversações com as duas empresas de estiva que são associadas da ETP de Aveiro – a Socarpor e a Aveipor – no sentido de resolver o problema.

Os trabalhadores portuários pertencentes ao contingente de mão-de-obra gerido pela ETP de Aveiro queixam-se ainda de discriminação face aos seus colegas de profissão integrados no quadro privativo da empresas de estiva que operam no mesmo porto, já que estes últimos já receberam os respectivos subsídios de férias.

Contactado pela Lusa, o presidente da direcção da ETP de Aveiro, José Manuel Lourenço, escusou-se a falar sobre este assunto.

O deputado do Bloco de Esquerda Pedro Filipe Soares questionou hoje o ministro da Economia sobre este caso, lembrando que esta já não é a primeira vez que há um atraso no pagamento do subsídio de férias aos trabalhadores da ETP de Aveiro.

Na pergunta dirigida ao ministério de Álvaro Santos Pereira, o parlamentar eleito por Aveiro quer saber quais as medidas que o Governo levará a cabo para assacar da responsabilidade da administração da empresa neste atraso.

O bloquista defendeu ainda uma rápida acção das entidades públicas para que a resolução deste problema seja célere.

Em 2009, o atraso no pagamento do subsídio de férias aos trabalhadores da ETP de Aveiro resultou numa greve dos estivadores de quase três semanas, que levou ao desvio de vários navios para outros portos.

Na ocasião, a Administração do Porto de Aveiro chamou a atenção para os “problemas estruturais” da ETP de Aveiro, cujas “receitas não cobriam os custos fixos da própria empresa”.

A ETP de Aveiro foi formada em 1993 pelas empresas operadoras Aveirpor, Socarpor, Vougamar e o sindicato, com vista a fornecer mão-de-obra portuária.