Os deputados do PSD e do CDS, numa acção concertada, faltaram à Assembleia Municipal de Águeda, na noite da última segunda-feira. Argumentam que “a reunião foi marcada para uma segunda-feira, o que não permite conciliar a vida profissional e política dos membros da Assembleia”. Aliás, “com a agravante da ordem de trabalhos ser extensa e com assuntos de muita relevância política para o concelho de Águeda”.

Os deputados do PSD defendem ainda que “as Assembleias deverão ser preferencialmente marcadas para as sextas-feiras”, destacando “a entrega sempre tardia dos documentos de suporte para análise e estudo aos membros da Assembleia Municipal”. Perante esta ausência, a reunião magna da autarquia aguedense acabou por não se realizar devido à falta de quórum.

Agora, o Partido Socialista, que gere os destinos do concelho, lamenta a atitude que “desrespeita os eleitores, os restantes membros da Assembleia, o executivo municipal, o público presente e a comunicação social, colocando o seu conforto pessoal à frente do interesse público e da missão democrática”.

“É lamentável que a reacção mais indignada e consequente do PSD, nos últimos seis anos, em Águeda, tenha sido ditada por razões de ocupação da noite de uma segunda-feira, quando deixaram sem reacção a defesa da linha do Vale do Vouga, do Hospital, da ligação de Águeda às auto-estradas e tantas outras necessidades do concelho”. “Será protecção ao governo?” Questionam os socialistas, lamentando que “ficam os Aguedenses a saber, que para os eleitos do PSD e do CDS, os problemas de Águeda têm dias próprios para serem resolvidos”.