Inaugurado a 18 de novembro de 1923, o Campo dos Olivais – Dr. Pequito Rebelo, ao longo dos seus 92 anos de existência, foi sofrendo algumas alterações, a mais importante a implantação do relvado sintético, cuja inauguração foi levada a cabo, no passado sábado, com a pompa e circunstância que se impunha. Uma infraestrutura avaliada em 200 mil euros e que irá proporcionar mais e melhores condições às camadas jovens do Anadia Futebol Clube.

Emoção. Foi ao som da música da Mini Banda de Anadia que teve início a cerimónia do descerramento da placa alusiva ao momento e, posteriormente, aos discursos, levados a cabo em plano relvado, ato presenciado por muito público.
Nelson Cerveira fez todo o historial sobre o campo, de histórias que muita gente não conhece. Estava dado o aperitivo daquilo que se seguiu. Vasco Oliveira, presidente da Comissão Administrativa do Anadia e um dos grandes impulsionadores para que a requalificação do Campo dos Olivais fosse uma realidade, não escondeu a emoção: “Estou muito feliz. Se calhar, este é um dos dias mais felizes da minha vida, de voltarmos a ter o Campo dos Olivais para a prática e desenvolvimento do desporto. É um sonho tornado realidade, nós conseguimos, eu consegui, muito obrigado.”
“Temos orgulho no passado e esperança no futuro, dos ex-treinadores, dirigentes atletas, na vontade de fazermos mais e melhor. O contributo da Câmara Municipal de Anadia e de todos os amigos que acreditaram em nós, foi muito importante”, asseverou Vasco Oliveira, acrescentando que “todo o apoio será reconhecido. O merecido agradecimento vai para Teresa Cardoso, pelo facto de ter acreditado em todos nós e ao Litério Marques, que deu início a esta obra e a todos os vereadores”.
Fernando Fernandes, presidente da União de Freguesias de Arcos e Mogofores, estava a “jogar” em casa. “Grande parte da minha vida foi vivida aqui, desde os meus dois anos e aos 33 deixei de jogar. É sempre bom requalificarmos certos locais onde fomos felizes”, referiu o autarca e ex-jogador do Anadia FC que, sem se deter, disse: “Este local é importante. Sem a persistência e a teimosia de Vasco Oliveira nada isto era possível. Ele foi um dos grandes culpados de termos de novo o Campo dos Olivais.”

Simbolismo. “Este é um momento de grande simbolismo para o Clube. Uma das marcas que distingue o nosso concelho é o desporto, por isso, este é um momento de partilha e de grande satisfação”, começou por dizer Teresa Cardoso.
A presidente da Câmara Municipal de Anadia falou dos valores da obra (200 mil euros), do relvado, da requalificação dos balneários, bancada e iluminação, o que, no seu entender “devolveram uma nova dignidade a um espaço com mais de 89 anos de história, que fica no centro da cidade e numa das ruas mais emblemáticas de Anadia, a rua dos Olivais”.
Teresa Cardoso deixou uma palavra a Vasco Oliveira, pelo seu “empenho e persistência na luta deste espaço, acreditando que seria possível devolver o campo para que os jovens de Anadia tenham melhores condições para a prática da modalidade. Neste espaço, viveram-se muitos momentos de glória, por isso temos todos de honrar o passado e o sucesso do Anadia FC”.
No final dos discursos e antes do pontapé de saída do jogo de Velhas Guardas do Anadia e da Académica, a Comissão Administrativa do Anadia entregou camisolas a Branco, Carlos Cosme, Rui Heleno, Fernandito e Teresa Cardoso, com o número um nas costas. Um gesto bonito.