Centenas de pessoas já subscreveram um abaixo-assinado insurgindo-se contra a transferência do Polo de Leitura de Bustos, que funciona no Palacete, para o Polo Escolar, recentemente construído, no Sobreiro. Em menos de 48h, foram recolhidas mais de duas centenas e meia de assinaturas. Os autores esperam que a população de Bustos adira, massivamente, como forma de suspender a decisão do executivo camarário. Nomes ligados ao PSD concelhio, como Manuel Nunes (presidente da Assembleia Municipal) e Álvaro Ferreira (presidente da JSD) já assinaram o documento. Mas esta “luta” da população de Bustos é transversal a toda a sociedade. Óscar Aires dos Santos e Fernando Luzio são outros “ilustres” que também assinaram o abaixo-assinado, que será entregue antes do dia 19 de junho, data da realização da próxima Assembleia Municipal.
Alberto Zenha Martins, presidente do Núcleo do PSD de Bustos, promotor do abaixo-assinado, disse tratar-se de um ato de cidadania que é transversal a toda a população de Bustos, onde todas as assinaturas têm o mesmo valor.

Segurança. No abaixo-assinado, os subscritores repudiam a decisão assumida pelo executivo da Câmara Municipal, de transferir a antiga Biblioteca fixa n.º26 da Fundação Calouste Gulbenkian, a primeira do concelho, inaugurada no ano de 1961, para o novo Polo Escolar, no Sobreiro, considerando que “é um espaço que só deve ser utilizado pela comunidade educativa, por motivos de segurança; uma Biblioteca/Polo de Leitura e uma Biblioteca Escolar têm valências diferentes. Devem fazer partilha de recursos, mas não funcionar no mesmo espaço; o local adequado para instalar a antiga Biblioteca, atendendo à centralidade e às diversas sinergias que poderão ser desenvolvidas no espaço envolvente, é a antiga Escola Básica”.
Na justificação para este abaixo-assinado, argumenta-se ainda que “o Polo de Leitura da Palhaça funciona num imóvel com as mesmas características e a existência, ou não, de pareceres técnicos, não impediu que para lá fosse transferido ou lá se mantenha”. Daí que os subscritores solicitem que “o executivo da Câmara Municipal de Oliveira do Bairro requalifique a antiga Escola Básica de Bustos e transfira para lá a antiga Biblioteca fixa N.º 26, da Fundação Calouste Gulbenkian, inaugurada no ano de 1961, por iniciativa dos bustoenses”.
Recorde-se que, na semana passada, o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Bairro, Mário João Oliveira, incitado pelo JB a explicar o que levou a esta mudança, remeteu-nos para uma posição coletiva dos vereadores, subscrita em nome do executivo, justificando que “a decisão de transferência foi tomada face aos problemas estruturais e de acessibilidade para todos os cidadãos que o atual espaço apresenta”. “Os bustoenses merecem melhores condições para o seu Polo de Leitura e foi precisamente por essa razão que procurámos um novo espaço que tivesse todas as condições necessárias para essa função, com a dignidade que um equipamento deste género exige”, esclarece o executivo.

Tudo na mesma. Esta semana, Mário João Oliveira, confrontado com o descontentamento e com o elevado número de assinaturas já recolhidas, já fez saber que não tem nada a acrescentar em relação ao que foi dito na semana passada.