A Escola Secundária da Mealhada venceu aquela que pode ser a última edição do concurso Escolíadas Glicínias Plaza. Com uma pontuação total de 308 pontos das provas de teatro, música/dança, artes plásticas, cultura geral e claques, conquistada no Multiusos de Viseu, os alunos e professores da escola mealhadense foram superiores, na opinião do júri, aos seus congéneres de Carregal do Sal (Viseu) e Dr. Joaquim de Carvalho (Figueira da Foz- Coimbra), que somaram, respetivamente, 302 e 297 pontos.
A luta pelo primeiro lugar desta 26.ª edição foi acesa, com uma disputa muito forte sobretudo entre os dois primeiros classificados. E tanto assim foi que Carregal do Sal chegou mesmo a obter mais pontos do que a Mealhada nas provas de teatro e artes plásticas. Mas, na opinião do júri, composto por representantes da Direção Geral dos Estabelecimentos de Ensino, Direção Regional de Cultura do Centro, Instituto Português do Desporto e da Juventude e Teatro Regional da Serra de Montemuro, foi nas provas de dança (clássica) e claques que a Escola Secundária da Mealhada se distanciou qualitativamente das demais concorrentes, apresentando exibições de “excelência”, oferecendo ao público, que esgotou por completo o Multiusos de Viseu, recortes artísticos de “elevadíssima qualidade”.
A gala de entrega de prémios da 26.ª edição do concurso Escolíadas Glicínias Plaza irá decorrer na próxima sexta-feira, dia 5 de junho, no Cine-Teatro Messias, na Mealhada. A festa culminará num convívio entre as 28 escolas participantes na casa-mãe do festival artístico-cultural, a Quinta dos Três Pinheiros.

Escolíadas chegam à Assembleia da República

O anunciado fim das Escolíadas foi motivo de um encontro, na semana passada, na Assembleia da República, entre os dirigentes do projeto e o deputado Amadeu Albergaria, da Comissão Parlamentar de Educação, Ciência e Cultura, confirmou ao JB Cláudio Pires, da Associação Escolíadas.
Esta reunião, que decorreu no passado dia 27 de maio, a pedido daquela comissão, serviu para “apresentar o projeto e o ponto de situação atual, que já não era novidade para o senhor deputado”. Depois desta conversa, que levou à capital três dirigentes da Associação Escolíadas, ficou a promessa de Amadeu Albergaria de transmitir o seu teor às secretarias de estado da educação e da cultura e ao responsável regional do Instituto Português do Desporto e Juventude, confirmou Cláudio Pires.
Recorde-se que – conforme avançou o JB na última edição – os alunos das escolas participantes nas Escolíadas estão a mobilizar-se para fazer uma manifestação em Lisboa para contestar a falta de apoio do Estado a esta iniciativa artística anual, existindo também uma petição pública online no mesmo sentido. Estas são as primeiras reações das escolas ao anunciado fim do evento para o próximo ano, por falta de apoio financeiro.
A petição pública online e uma comunidade no Facebook com o nome “Vamos Salvar as Escolíadas” são, para já, os protestos visíveis sobre o assunto, que levou a esta tomada de posição depois da Associação Escolíadas, no passado dia 20, ter anunciado o fim do evento que se realiza há 25 anos, por não conseguir apoio financeiro para continuar a sua realização.

João Paulo Teles