jsd

O plenário de militantes do PSD de Oliveira do Bairro retirou, na madrugada de sábado, a confiança política ao presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Bairro, Mário João Oliveira. A moção da retirada de confiança política – o que aconteceu pela primeira vez na história do concelho de Oliveira do Bairro com um presidente de Câmara – foi aprovada em plenário do PSD com 33 votos a favor, três contra e dois em branco.
Segundo a moção – apresentada pelo militante do PSD que também é deputado na Assembleia Municipal, Marcos Martins – Mário João Oliveira, eleito nas listas do PSD de Oliveira do Bairro, nas eleições autárquicas realizadas no ano de 2013, é acusado de inércia, desprezo e de desrespeitar causas maiores. “Causas que provocam graves prejuízos nas nossas terras e nas nossas gentes, atente-se o ignorar as preocupações da população, ou mesmo à atitude tida perante situações concretas”, lê-se na moção.

Mário João é apontado por “permanente falta de comunicação, diálogo, aceitação de propostas e sugestões e incompatibilidades várias para com as diversas estruturas do partido, JSD incluída”.
A moção revela ainda que o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Bairro “mantém um mau relacionamento constante e contínuo com o órgão Assembleia Municipal, colocando entraves permanentes ao seu normal e correto funcionamento”, tendo funcionado “como força de bloqueio” na Assembleia Municipal Extraordinária que foi realizada em Bustos para debater o estado da educação no concelho, nomeadamente o impacto da redução de turmas no IPSB. Neste caso em concreto, Mário João é apontado, numa primeira fase, de se opor “à realização da referida Assembleia, e em seguida procurando impedir a população de intervir na mesma, contrariando aquela que é a vontade do partido e de todos os órgãos onde tem representação”. “E pior, abandonando uma parte significativa da população do nosso concelho, precisamente naquela que é indubitavelmente a maior bandeira desde que o Partido Social Democrata voltou a comandar os destinos do nosso Município. A causa da Educação”, é referido na moção.
No caso concreto do IPSB, é ainda abordada “a ausência de apoio efetivo, determinado e com todos os meios políticos e legais ao dispor da autarquia e do presidente da Câmara, na defesa da causa IPSB contra as decisões do Ministério da Educação de não cumprir os contratos de associação efetuados no ano de 2015”. Neste processo do IPSB, “foi mantida, ao longo de todo este processo, uma atitude de alheamento e de indisponibilidade para estar ao lado da população que o elegeu e numa luta que também deveria ser a sua, por ser a nossa”.
A moção de retirada de confiança tem por base ainda “as promessas eleitorais de obras de proximidade quase todas por cumprir; a ausência de cumprimento atempado dos contratos sociais de apoio ao tecido associativo; indisponibilidade para a adequação do Polo de Leitura de Bustos à vontade dos Bustoenses; o atraso permanente no cumprimento dos compromissos financeiros com as Juntas de Freguesia, e o péssimo convívio com um dos pilares fundamentais do 25 de Abril: a liberdade de expressão e de opinião.”
Agora, a Concelhia do PSD vai decidir se mantém ou retira também a confiança a Mário João Oliveira.
O presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Bairro, Mário João Oliveira, disse, ao JB, que não vai comentar a retirada da confiança política e que continuará, “como até aqui, a trabalhar, com o mesmo rigor e determinação, em prol do desenvolvimento do concelho de Oliveira do Bairro e na defesa dos direitos e legítimos interesses da população”.

Vereador
António Mota sem pelouros

Na sequência da retirada da Confiança Política pelo plenário de militantes, o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Bairro, Mário João Oliveira, retirou a totalidade dos pelouros ao vereador António Mota, que é presidente da Concelhia do PSD de Oliveira do Bairro.
O vereador já confirmou ao JB a retirada da totalidade dos pelouros. O despacho de revogação dos pelouros será dado a conhecer, hoje, quinta-feira, na reunião de Câmara.