O encontro com Maria Rueff foi o ponto alto da sessão de abertura do 20.º Ciclo de Teatro Amador do Concelho de Cantanhede, que decorreu no auditório da Biblioteca Municipal, no sábado, 3 de fevereiro, com a presença da presidente da Câmara Municipal, Helena Teodósio, e do vice-presidente da autarquia, Pedro Cardoso. Convidada para assinalar o início do programa de dinamização da atividade teatral que se prolonga até 24 de março, com a participação de 17 grupos cénicos, Maria Rueff manifestou-se “muito honrada pelo convite para esta iniciativa tão bonita de promover o teatro no que ele tem de mais genuíno, que é a entrega e dedicação das pessoas sem esperarem qualquer retorno que não seja viver essa experiência partilhando-a com os outros”.
A sessão começou com uma apresentação de momentos marcantes da vida da atriz, que, visivelmente emocionada, agradeceu “este registo tão comovente” e falou da “ironia que é alguém cuja missão é fazer rir estar em Cantanhede a chorar”. Maria Rueff viveu os primeiros anos da adolescência em Cantanhede – terra natal de seu pai –, na sequência do regresso da família de Moçambique, aquando do processo de descolonização. “Esses anos em Cantanhede foram muito marcantes, sem dúvida”, lembrou, salientando a propósito as amizades que fez e “os lugares que estão bem presentes na memória, como a Corredoura (Largo Cidade do Funchal), para onde ia namorar”.

 

Ler mais na edição impressa ou digital