O Município de Ílhavo acolhe aquele que é um dos maiores festivais gastronómicos do país, celebrando o bacalhau durante cinco dias, de 8 a 12 de agosto. As receitas são para todos os gostos, não fosse o bacalhau o rei à mesa dos portugueses, e mais uma vez confecionadas com a dedicação e a sabedoria de dez associações locais.
A Câmara Municipal de Ílhavo e a Confraria Gastronómica do Bacalhau levam ao Jardim Oudinot, na Gafanha da Nazaré, a 11.ª edição do Festival do Bacalhau, no ano em que se inicia a comemoração dos 70 anos da construção e viagem inaugural do “Santo André”, arrastão bacalhoeiro tornado museu em 2001 e o grande anfitrião deste Festival.
Anualmente, o Festival do Bacalhau leva ao Jardim Oudinot dezenas de milhares de pessoas, sendo já um acontecimento incontornável tanto na região, como no país. Trata-se de um evento que contribui de forma muito significativa para a valorização e divulgação dos valores do município e da região, sendo uma mais-valia para a dinamização da economia local e para o apoio ao tecido associativo, que tanto se destaca e é essencial na existência deste evento.
A entrada no festival é gratuita.
Diversão para toda a família. O Festival do Bacalhau é muito mais do que a experiência de comer um bom bacalhau. Ao longo destes cinco dias, de manhã à noite, por ali decorrem inúmeras ações, desde showcookings, degustações, concursos, workshops, oficinas, mostras de artesanato, visitas especiais ao Navio-Museu Santo André, atividades desportivas, espetáculos de diversas artes performativas, concertos, diversão para toda a família e a já reconhecida Corrida Mais Louca da Ria.
No Cais Ria – Animação e Brincadeiras há, em permanência, atividades para pequenos e graúdos. O Navio-Museu Santo André revela-nos a performance “Mulher em terra, homem no Mar”, concertos intimistas no seu porão e celebra a “pasteleira”, numa edição renovada da Volta ao Cais.
Na zona mais a norte do Jardim Oudinot, as tasquinhas de bacalhau dão sustento ao corpo e o Palco Mar, à alma.
 
Cartaz recheado de boa música
 
As noites do Festival do Bacalhau são aquecidas pelos concertos de grandes nomes da música portuguesa – este ano, com a alma contagiante dos The Black Mamba (dia 8 de agosto), a alegria e o amor musical dos HMB (dia 9), a celebração única dos “clássicos” dos Quinta do Bill com a Banda dos BV de Ílhavo (dia 10), o ritmo africano de Bonga (dia 11) e a emoção de um Tributo a Carlos Paião (dia 12 de agosto).
 
 
 Faina Maior branco e tinto estreiam-se no Festival do Bacalhau
 
O Município de Ílhavo e a Rota da Bairrada juntam-se novamente para o lançamento de mais dois vinhos sob a chancela Faina Maior. Depois da edição do espumante branco Baga Bairrada, no Festival do Bacalhau 2017, este ano será a estreia dos vinhos branco e tinto Bairrada.
O Espumante ‘Faina Maior Baga Bairrada Bruto branco 2014’, lançado em agosto de 2017, despertou a atenção com a medalha de Ouro que ganhou no ‘Concurso de Espumantes Bairrada 2017’. Este ano, o objetivo de homenagear os bravos que se dedicam à pesca do bacalhau e aos vinhos da Bairrada é fortalecido com o lançamento dos Vinhos Faina Maior Reserva tinto 2014 e Faina Maior Reserva branco 2016.
O Faina Maior Reserva 2014 é um vinho tinto feito com o blend de Touriga Nacional (50%), Baga (35%), Syrah (8%) e Merlot (7%), com um estágio de seis meses em barrica e um ano em garrafa; o vinho branco Faina Maior Reserva 2016 combina as castas Arinto, em maior percentagem, com Sauvignon Blanc e Bical, tendo fermentado 25% do lote em barricas de carvalho francês.
São uma edição limitada a 600 garrafas de cada colheita, com um preço de 12,50 euros e que está à venda nos espaços da Associação Rota da Bairrada – na Curia, em Oliveira do Bairro, na Vagueira e na Tocha (estes dois últimos espaços pop-up; até setembro) – na loja do Museu Marítimo de Ílhavo e nas lojas de Turismo de Ílhavo.
Como ‘Faina Maior’ intitula-se a pesca do bacalhau à linha, praticada por homens e navios portugueses durante os séculos XIX e XX, nos longínquos mares da Terra Nova e da Gronelândia.