A casta Baga consegue expressar o terroir da Bairrada, é autêntica, diferente e fácil de pronunciar; a Baga tem potencial, é uma casta completa. As conclusões são do Master of Wine Dirceu Vianna Júnior, que em Cantanhede, no Congresso sobre “Baga: a Casta, o Vinho e a Região”, na semana passada, procurou apresentar as características que fazem da casta endógena da Bairrada uma casta diferenciadora e, traçando o panorama internacional, presente e futuro, indicou caminhos para que os vinhos da Bairrada cheguem cada vez mais longe.

“Onde querem chegar? São vocês que têm de decidir!”, exclamou o brasileiro, depois de alertar para os desafios atuais, considerando urgente uma presença mais agressiva dos vinhos Bairrada onde realmente interessa estar. “Estive em vários países, onde procurei vinhos da Bairrada, mas não encontrei, nem desta região nem sequer de Portugal. Não encontrei vinhos da Bairrada em S. Paulo, na Rússia, em Inglaterra, no Canadá ou em Hong Kong. Há muito trabalho a ser feito neste campo”, frisou Dirceu Júnior.

Leias as conclusões do congresso na edição do Jornal da Bairrada de 6 de dezembro.