O iate do multimilionário Roman Abramovich, a ponte da Arrábida e a D. Luís I, o navio escola Sagres e outra dezena de réplicas feitas com  paus de fósforo, fazem parte do espólio de Francisco Neto, natural da Afurada e residente, há alguns anos, no Troviscal.

É nesta vila do concelho de Oliveira do Bairro que o reformado trabalhador da construção civil tem o seu “estaleiro” e vai alargando os seus  horizontes e desafios nesta arte de trabalhar fósforos queimados.

O “vício” começou por uma simples traineira de pesca e pelas pontes do Douro, que o artista tem na memória da terra natal.   Mas foi na Suíça, para onde emigrou para trabalhar na construção, que ocupava as noites a queimar e colar fósforos de madeira, dando forma aos símbolos da saudade do seu país.

Leia  a reportagem completa na edição de 14 de fevereiro do Jornal da Bairrada