O Programa de Rastreios Auditivos e Visuais realizado no passado ano letivo, nas escolas do concelho da Mealhada, permitiu identificar problemas em cerca de 280 alunos. Os resultados foram apresentados no passado dia 13, pela equipa do Hospital da Misericórdia da Mealhada (HMM).

O programa, que resulta de uma parceria entre a Câmara, Juntas de Freguesia e o HMM, abrangeu cerca de um milhar de alunos dos 6.º, 7.º, 8.º e 9º. anos, bem como dos alunos do ensino secundário e profissional (do Agrupamento de Escolas e da Escola Profissional Vasconcellos Lebre).

Relativamente aos rastreios audiológicos, foram avaliados 948 alunos, tendo sido referenciados 13 alunos com problemas do foro auditivo. Evidenciou-se um maior número de alunos identificados com problemas, a este nível, no 12.º ano.
No âmbito dos rastreios visuais foram avaliados 876 alunos, tendo sido referenciados 266 alunos com problemas oftalmológicos. Assinalou-se um maior número de alunos com problemas visuais no 7.º ano de escolaridade. Neste âmbito, 102 alunos apresentavam problemas múltiplos e 164 com problemas singulares.

“Os rastreios oftalmológicos foram, mais uma vez, um êxito na identificação dos problemas que podem contribuir para o insucesso escolar, nomeadamente os erros refrativos, alteração da visão das cores e alterações da visão em profundidade”, sublinhou o diretor clínico do HMM, Aloísio Leão, explicando que “os números apresentados evidenciam que as crianças em idade escolar nem sempre manifestam sintomas evidentes de patologia ocular, apesar de existir, e a correção destas situações contribui de forma decisiva para a melhoria do rendimento escolar, pela viabilização de uma intervenção atempada, num estádio inicial da doença”.

Este programa procura identificar potenciais problemas audiológicos e oftalmológicos, perspetivando uma intervenção terapêutica atempada e a redução de eventuais consequências nefastas. Para tal, a Unidade Móvel de Saúde do HMM e respetiva equipa clínica deslocam-se às escolas do concelho para a realização dos rastreios, que registaram enormes taxas de adesão por parte dos encarregados de educação: 69,8% para os rastreios visuais e 75,5% para os rastreios auditivos.
Bruno Peres, diretor-geral da Santa Casa da Misericórdia da Mealhada, considera que “o HMM atingiu os objetivos a que se propôs”, quando apresentou o programa à edilidade, “como ficou demonstrado na apresentação dos resultados”.

Rui Marqueiro, presidente da Câmara, sublinha os benefícios da deteção destes problemas e o impacto que poderá ter no percurso escolar das crianças e jovens. “Não há melhor investimento do que aquele que é feito na saúde e na educação e este é um programa que atua nestas duas vertentes. É por isso que acolhemos este projeto e consideramos que traz grandes benefícios às famílias do nosso concelho”.