O Conselho Eco-Escolas da Escola Básica e Secundária de Anadia esteve reunido na quarta-feira, dia 22, naquela que foi a segunda reunião desta equipa. Um encontro que juntou todos os elementos para analisar os resultados da auditoria ambiental, e as atividades a integrar no Plano de Ação, fruto daquela auditoria.
 
Envolvimento
dos alunos
Na ocasião, as docentes coordenadoras do Programa Eco-Escolas, congratularam-se com o sucesso que está a ser o envolvimento dos alunos neste projeto: “o Conselho aumentou substancialmente porque o número de alunos envolvidos duplicou”, disseram, dando nota de que 922 alunos responderam ao inquérito lançado inicialmente sobre os conhecimentos e preocupações ambientais, não passando despercebida a elevada taxa de alunos que, em casa, já têm hábitos de reciclar.
 
Ações
em várias frentes
Em matéria de água, o destaque vai para a necessidade de monitorizar os consumos, que se mantêm muito elevados, sobretudo nos balneários, pelo que todos os alunos são desafiados a ser mais cuidadosos e poupados no consumo de água.
Quanto à energia, depois da instalação de uma rotina nos computadores e demais materiais da escola para desligarem automaticamente a partir das 17h15, ainda há necessidade de fazer muito mais, seja na redução de consumos de energia nas salas de aulas, corredores, casas de banho, espaços exteriores e elevador, seja na monitorização dos consumos, seja na comunicação de situações anómalas por parte da Eco Brigada do Ambiente.
Neste ponto regista-se que, numa escola nova, a iluminação deveria ser feita com lâmpadas de baixo consumo energético (tecnologia LED), situação que, por enquanto, depende da intervenção da Parque Escolar.
Recolha de roupas
e medicamentos
Ao nível dos resíduos, o lixo deixado pelo chão é ainda um mau hábito que urge combater, assim como ainda existem muitas falhas ao nível da recolha seletiva. Neste ponto, os alunos continuam a ser sensibilizados para a utilização de recipientes próprios de recolha de plástico, pilhas, rolhas, tampas e papel. Acresce que na escola decorre, igualmente, uma campanha de recolha de roupas e medicamentos.
As roupas de ganga estão a ser transformada pela equipa de Educação Especial. Já o papel tem vindo a contribuir para ações de solidariedade social, nomeadamente do Banco Alimentar contra a Fome.
 
Ler mais na edição impressa ou digital