A Universidade de Aveiro (UA) registou, nesta primeira fase de acesso ao ensino superior, uma ocupação de quase cem por cento de vagas disponíveis e a totalidade das vagas ocupadas nas quatro escolas de ensino politécnico (Escola Superior de Saúde, Instituto Superior de Contabilidade e Administração, Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda e Escola Superior de Design, Gestão e Tecnologia da Produção de Aveiro-Norte). Restam apenas 17 vagas na vertente universitária, a maioria relativa ao curso de Engenharia Civil.

Segundo informação veiculada por aquela universidade tratou-se “do maior número de estudantes colocados na UA numa primeira fase de acesso”, destaca Luís Castro, Vice-reitor para Promoção da Qualidade, Comunicação, Eficácia e Eficiência da UA. A universidade vai receber, já da primeira fase de colocação, mais e 2.300 alunos.

Assim, nesta primeira fase do Concurso Nacional de Acesso (CNA) ao Ensino Superior de 2020, foram colocados 2.329 estudantes (e aos quais se deve ainda adicionar os 54 estudantes, já anteriormente colocados, da Licenciatura em Música, através do concurso local de acesso), ou seja, a taxa de ocupação é de 99,18% das vagas.

De sublinhar que também as classificações subiram substancialmente. A Licenciatura em Engenharia Informática registou a média de acesso mais elevada do último colocado, com 177,5, seguindo-se Engenharia Biomédica, com 177,3, e Gestão, com 171,8. Nos cursos de Design, Engenharia e Gestão Industrial, Economia, Ciências Biomédicas, Biotecnologia, Fisioterapia, Engenharia Mecânica, Bioquímica e Engenharia Física todos os futuros estudantes UA, nestes cursos, possuem média de entrada superior a 16 valores. 

“A excelente atratividade dos cursos ministrados na Universidade de Aveiro ficou igualmente bem patenteada nos 2.631 candidatos que escolheram um curso da UA em primeira opção”, regista o Vice-reitor.

Luís Castro felicita todos os estudantes colocados na UA: “Vão entrar numa enérgica etapa da vossa vida e escolheram um ambiente único! Estamos à vossa espera para, todos em conjunto, fazermos crescer ainda mais a Comunidade de Ensino e Investigação da UA – uma comunidade vibrante, que se apoia, cria laços fortes entre os seus membros, cruza saberes de forma inter e transdisciplinar, possuidora de longa tradição em abrir grandes sinergias com a comunidade envolvente, tecido empresarial e sociedade em geral, reconhecida internacionalmente tanto na ciência aplicada como na chamada ciência fundamental, e intersectando sempre tudo isto com o processo de ensino-aprendizagem”.

Fonte: Universidade Aveiro