Recortes.pt Leia no Recortes.pt

Tag Archive | "sangalhos"

Sangalhos: Requalificação da rede viária e arranjos urbanísticos são prioritários


António Floro que admite a recandidatura pelo MIAP, diz que este é um ano de viragem na freguesia com obras de vulto em várias frentes. A requalificação da rede viária, os arranjos urbanísticos e os parques e jardins estão na linha das prioridades.

“O balanço do trabalho realizado em 2016 é positivo”. Quem o afirma é o autarca de Sangalhos, António Floro. Ainda que admita que “nunca se fica satisfeito com o que se vai realizando”, a verdade é que no ano de 2016, graças à ajuda da Câmara Municipal de Anadia, conseguiu realizar alguns melhoramentos.
“As obras não são muito visíveis ou têm um grande impacto, porque a freguesia é muito grande, são vários lugares. Temos 192 ruas o que dá uma ideia do esforço necessário para as manter minimamente apresentáveis”, justificando só nesta área o gasto de mais de metade da verba disponível no orçamento.
Depois, explica, “temos a conservação de vários jardins, custos elevados com o pessoal, com o trator, e todo o equipamento afeto a esta área”.
Mesmo assim, elenca algumas obras realizadas em 2016 e que visam a melhoria da qualidade de vida das populações: “fizeram-se centenas de metros de passeios na Avenida Dr. Seabra Dinis que é uma avenida bastante grande e dá muita despesa; fez-se a conservação e manutenção de valetas; cimentamos valetas em várias ruas; iniciámos a construção do Parque de Merendas na Fogueira (sanitários e muro), entre outras.”
António Floro destaca ainda a construção do tão desejado Parque Infantil no Jardim do Passal, em Sangalhos.

Prioridades para 2017. Com um orçamento para 2017 a rondar os 158 mil euros, o autarca explica que o Plano de Atividades se divide em duas partes (obras grandemente financiadas pela Câmara Municipal de Anadia) e obras da responsabilidade da Junta de Freguesia.
Assim, graças ao apoio financeiro da Câmara Municipal, destaca a beneficiação da Rua Narciso da Marça, em Sá. Uma obra já iniciada e que vai permitir a requalificação da Rua Fonte de Guimarães. Integra a substituição das águas pluviais, água da rede pública, iluminação, passeios, asfalto e sinalização. “Era uma luta antiga porque o acesso à Estalagem e à Misericórdia de Sangalhos deixava muito a desejar”, defende.
A renovação da rede pública de água nos lugares do Paraimo e da Fogueira é também uma obra que destaca pela sua dimensão e importância. “É inadiável, importantíssima” e à qual se vai seguir a repavimentação das várias ruas intervencionadas.
Por outro lado, já deu conta ao executivo de Teresa Cardoso a necessidade de avançar com a repavimentação de 16 ruas na freguesia: “se fossem contempladas ficaria muito feliz. Algumas delas já sofreram intervenção na rede de água e agora é preciso colocar novo piso”, alerta.
O autarca acredita que a Pista de BMX e o Museu das Duas Rodas serão duas grandes obras que vão ter a sua conclusão este ano.
Uma outra beneficiação de vulto prende-se com a construção de uma rotunda no cruzamento da Rua Professor Bento Lopes com a Rua Nova do Pedregal onde vão ser construídos passeios e uma ciclovia. A requalificação da Rua das Roseiras, em Sá, que liga à Rotunda, perto da variante à EN 235 é outra via que quer ver beneficiada. “É uma rua que se encontra em muito mau estado de conservação e urge requalificar”, admite.
Na Fogueira, gostaria de ver concluída a requalificação do Largo de S.Silvestre, na parte que pertence ao domínio público. “O adro terá de passar por um entendimento entre a Câmara Municipal, a Junta de Freguesia e a Igreja”, admite.
Uma outra área é a intervenção que deseja realizar em várias paragens de autocarros. “Algumas estão em muito mau estado, mas como são caras estamos a estudar as melhores soluções. Mas vamos intervir nas que se encontram em pior estado, na Fogueira, no Paraimo e também na Rua Fonte de Guimarães que liga à EN 235, onde vai ser construída uma pequena rotunda (perto da Igreja Protestante). Aqui as crianças não têm paragem”, refere.

Outras obras. O autarca António Floro fala ainda da intenção de avançar com as obras de melhoramento no cemitério, no seguimento do trabalho que vem sendo desenvolvido; continuação da construção de passeios na Avenida Dr. Seabra Dinis; requalificação de fontes e lavadouros; colocação de manilhas e construção de valetas em diversas ruas; substituição de sinalização vertical danificada; pintura de passadeiras para peões e de zonas de estacionamento; levantamento topográfico e tratamento do processo relativo aos limites da freguesia com as freguesias limítrofes; apoiar as coletividades e associações da freguesia nas atividades que vão desenvolvendo.

Recandidatura à vista. A completar o segundo mandato como presidente da Junta de Freguesia, admite estar disponível para concorrer a mais um mandato nas listas do MIAP (Movimento Independente Anadia Primeiro).
“Há um ano admiti que estava cansado, que queria dar lugar a outros. Estivera como secretário quatro anos, como tesoureiro outros quatro anos e como presidente oito anos. Após 16 anos, ao serviço da população, seria tempo de dar lugar a outros”. Contudo, diz que, “devido à situação que se vive com o volte-face do vereador Litério Marques (o que já era de prever) uma vez que há três anos a esta parte tem sido o maior opositor da presidente Teresa Cardoso no executivo, já me decidi pela minha recandidatura. Para ajudar a presidente e o excelente trabalho que tem realizado, mas para lutar também contra estas formas de estar. Se a política é isto, recuso-me a ser político porque estas jogadas descredibilizam os partidos, a política e os políticos”, sublinha, deixando um alerta: “há três anos que anda a ser cozinhada uma caldeirada para ser servida daqui a poucos meses. Só espero que a caldeirada faça mal apenas a quem a cozinha”, referindo-se claramente ao afastamento do “pai” e vereador eleito pelo MIAP, Litério Marques, da sua presidente Teresa Cardoso, situação que culminou recentemente com o anúncio do seu nome para candidato do PSD às próximas autárquicas em Anadia.

Parque de Merendas e Lazer da Fogueira marca último ano do mandato

O Parque de Merendas e de Lazer da Fogueira é o primeiro parque do género a nascer na freguesia de Sangalhos. Um sonho antigo no plano de intenções de vários executivos, mas que começa agora a tomar forma. As obras arrancaram em 2015 com a construção dos sanitários e do muro exterior de suporte, mas o grosso está para fazer e este poderá ser o ano que marca a viragem no embelezamento deste espaço. O objetivo é fazer o parque tal como está projetado, ainda que para isso tenha de haver um apoio considerável por parte da Câmara Municipal de Anadia.
São cerca de 6 mil metros onde existe um lavadouro que vai ser requalificado, criada uma zona pedonal e um amplo estacionamento. A rigueira onde corre água o ano inteiro será empedrada e alargada de forma a formar um pequeno lago onde haverá uma ponte em madeira que une as duas margens. Depois serão concluídos os sanitários e colocadas várias mesas, bancos, churrasqueira e um parque infantil.
As árvores serão alvo de uma análise por parte de um especialista que irá indicar quais as que será necessário abater ou replantar.
“Gostava de deixar o parque concluído, mas depende do apoio da Câmara, pois não temos dinheiro para fazer tudo de uma vez. Temos de ir devagar.”

Catarina Cerca

Posted in SangalhosComments (0)

Sangalhos: Câmara Municipal ajuda na reconstrução de habitação


A Câmara Municipal de Anadia vai ajudar a reconstruir a casa do jovem casal de Sangalhos que, a 18 de dezembro de 2016, ficou sem casa, na sequência de um incêndio que destruiu por completo a moradia onde habitavam em Sá-Sangalhos.
A informação foi anunciada a JB pela edil anadiense Teresa Cardoso, depois do executivo ter aprovado por unanimidade, em reunião, uma ajuda que vai rondar os 33 mil euros, sendo certo que a Câmara Municipal irá ainda fazer o acompanhamento na fiscalização da obra.
Na última sexta-feira, a edil anadiense Teresa Cardoso, o vice-presidente da autarquia, Jorge Sampaio, o autarca da freguesia de Sangalhos, António Floro e o casal estiveram reunidos na Junta de Freguesia para trocar algumas impressões acerca desta ajuda e decisão do executivo.
A JB, António Floro, que foi o autor do projeto, revelou que durante o encontro a edil explicou todos os passos que culminaram neste apoio. Também Patrícia Oliveira confessou ter ficado muito satisfeita com o apoio dado pela Câmara Municipal, que permite encarar o futuro de uma forma mais esperançosa.
A obra, que deverá começar dentro de duas semanas, vai estar a cargo de um empreiteiro da freguesia de Sangalhos que terá apresentado o orçamento mais baixo.
O projeto da “nova” casa traçado por António Floro, que é desenhador, vai ao encontro do desejo do casal. A habitação, com uma área aproximada de 100 m2, terá cozinha e sala comuns com lareira, dois quartos, um pequeno hall e uma casa de banho, permitindo que os compartimentos sejam ligeiramente maiores, uma vez que as áreas foram melhor aproveitadas em relação aos compartimentos que existiam na antiga casa.
Agora, a prioridade é mesmo reconstruir a habitação, o que poderá acontecer até ao verão.
O casal, para fazer face à reconstrução e para mobilar a habitação, disponibilizou na sua página no facebook um NIB: 0038008101200001771 74 (Filipe Vieira – Banco Santander Totta) para quem quiser ajudar monetariamente, de forma a que possam adquirir o mínimo para recomeçar.
Recorde-se que, numa primeira fase, a Câmara Municipal de Anadia ajudou nos trabalhos de remoção de entulho, uma vez que foi necessário proceder à demolição de todas as paredes interiores da habitação.
Filipe Vieira, de 30 anos e Patrícia Oliveira, de 25 anos, são pais de uma bebé com três meses. Ficaram apenas com a roupa do corpo, na sequência deste incêndio.
De imediato, à volta desta tragédia nasceu uma enorme onda de solidariedade, que envolveu não só familiares e amigos, mas também muitos anónimos que mostraram vontade de ajudar a minorar o sofrimento do casal.
Catarina Cerca

Posted in Anadia, Bairrada, SangalhosComments (0)

Sangalhos: Reconstrução possível graças a enorme onda solidária


 

A enorme onda de solidariedade em torno do casal de Sá (Patrícia Oliveira, de 25 anos e Filipe Vieira, de 30), na freguesia de Sangalhos, que na noite do dia 18 de dezembro, perdera a habitação, na sequência de um incêndio, não pára de crescer.
Para além da família e amigos, muitos anónimos da região e dos mais variados pontos do país têm ajudado a minorar o sofrimento do jovem casal que tudo perdeu.
Numa primeira fase e logo a seguir ao trágico incêndio que os deixou apenas com as roupas que traziam no corpo, foram as inúmeras partilhas dos pedidos de ajuda feitos no facebook que deram de imediato frutos. Em poucas horas multiplicavam-se as partilhas e contactos que resultaram numa onda de solidariedade, que se traduziu no verdadeiro e genuíno espírito natalício.
“No meio da tragédia, vimos que ainda existe gente muito boa e solidária, pois graças a todos conseguimos já ter o mínimo para viver,” diz Patrícia Oliveira.
Ainda que a residir temporariamente na casa dos pais de Patrícia Oliveira, também em Sangalhos, o casal já possui todos os bens de primeira necessidade.
Agora, a prioridade está em arranjar materiais de construção para recomeçar a reconstruir a casa.
Passados que estão 15 dias sobre o sinistro que desalojou o casal com uma bebé de três meses, é hora de começar a pensar numa nova casa.
Os trabalhos de remoção de entulho – com a colaboração da Câmara Municipal de Anadia – estão terminados, tendo familiares, amigos e conhecidos sido determinantes neste processo que obrigou à demolição de todas as paredes interiores da habitação.

Autarca de Sangalhos elaborou projeto da “nova” casa. Neste momento, o projeto de reconstrução está concluído graças à colaboração do autarca da freguesia de Sangalhos, António Floro, que é também desenhador. Logo a seguir ao incêndio, disponibilizou-se para fazer o projeto.
“Estive aqui com o casal, tirámos medidas, fez-se um levantamento da área (100m2) e, de acordo com as necessidades do casal, fiz o projeto”, referiu António Floro.
A JB revelou tratar-se de um projeto simples, uma vez que a casa é pequena. Num novo “desenho, com novas divisões”, a habitação de Patrícia e Filipe terá cozinha e sala comuns com lareira, dois quartos, um pequeno hall e uma casa de banho, permitindo que os compartimentos sejam ligeiramente maiores uma vez que as áreas foram melhor aproveitadas em relação aos compartimentos que existiram na antiga casa.
O autarca de Sangalhos acredita que se existirem donativos suficientes, será possível fazer a obra em escassos meses.
Refira-se ainda que o jovem casal tinha gasto no ano passado todas as suas economias (cerca de 10 mil euros) na recuperação da habitação.

Materiais de construção, mobiliário e eletrodomésticos. Patrícia Oliveira revela que já têm roupa suficiente para o casal e para a bebé, sendo agora o apelo feito para a oferta de materiais de construção e recheio para mobilar a habitação (móveis, eletrodomésticos).
Até ao momento, já foram oferecidas portas interiores, vidros das janelas e piso flutuante. Mas será necessário muito mais. O casal precisa de tijolos, cimento, areia, telhas, sem falar nos pavimentos e revestimentos, caixilharia de alumínio, persianas e louça sanitária.
Por isso, para fazer face à necessidade de adquirirem materiais de construção para reconstruir a habitação, disponibilizaram já na sua página de facebook um NIB: 00380081 01200001771 74 (Filipe Vieira – Banco Santander Totta) para quem quiser ajudar monetariamente, de forma a que possam adquirir os referidos materiais.

Câmara Municipal atenta e pronta a ajudar. Na última reunião do executivo anadiense, a edil Teresa Cardoso transmitiu o pedido de ajuda endereçado à Câmara Municipal pelo casal, avançando ainda que a Câmara está empenhada em ajudar o casal, à semelhança de outras situações.
“Numa próxima reunião de executivo serão apresentados já em concreto valores de forma a deliberar com exatidão o apoio a conceder ao casal”, explicou. Para já, foi solicitado aos serviços técnicos da autarquia uma avaliação precisa da intervenção a realizar na habitação para depois quantificar a ajuda a conceder.
“Não podemos perder a onda de solidariedade e a vontade de ajudar este casal. Por isso, é preciso agir com rapidez”, sublinhou a edil, reconhecendo que “como tudo faz falta, todas as ajudas são bem-vindas”.
A edil contactou também a Cáritas, que deverá estar disponível para apoiar mas numa fase posterior, em equipamentos (eletrodomésticos ou mobílias).

Gente de má fé. No meio de tanta ajuda e solidariedade, há também quem se esteja a aproveitar da situação.
Patrícia Oliveira dá conta de uma ou duas situações em que, depois de terem a indicação de algumas ofertas, quando as foram levantar, alguém já o teria feito, fazendo-se passar pelo casal.
Por isso, deixa o alerta para que todas as ajudas sejam feitas diretamente ao casal.
Catarina Cerca

Posted in Anadia, Destaque, SangalhosComments (0)

Sangalhos: Misericórdia encerra hospital a 31 de dezembro


O plano de ação, de atividades e o orçamento para 2017 da Misericórdia de Sangalhos já não contempla a unidade de saúde que a Misericórdia possui e estava a explorar em Sangalhos.
Na última assembleia-geral de irmãos, realizada na noite de sexta-feira, dia 25, foi revelado que o prejuízo de aproximadamente 300 mil euros, nos dois anos em que funcionou sob a alçada da Misericórdia, inviabilizam que continue aberto em 2017, ainda que tenha sido esta a valência que há mais de oito décadas fez nascer e crescer a Misericórdia.
A decisão da mesa administrativa de cessar a atividade do hospital, a 31 de dezembro próximo, foi explicada pelo provedor Manuel Gamboa às várias dezenas de irmãos presentes.
“Há cerca de um ano prometi, em nome da mesa administrativa, não só viabilizar a continuação da unidade de saúde do hospital da Misericórdia, mas também fazer um esforço para se vir a tornar sustentável”, deixando, na altura, a indicação de que “se não se verificasse uma linha ascendente de recuperação económica e financeira, no final do atual exercício em curso de 2016 poderíamos equacionar a possibilidade de cessar a atividade exploratória do hospital”.

Lutar pela melhor solução. De facto, ao longo dos dois últimos anos e sobretudo deste, “fomos avaliando passo a passo a vida da unidade de saúde com crescente preocupação”, isto porque pese embora o acréscimo de atividade diária, registou-se igualmente uma evolução constante nos prejuízos quando se esperava precisamente o contrário.
A meio do ano em curso, revelou o provedor, terá alertado o diretor clínico, a administradora do hospital e outros colaboradores afetos ao hospital para a situação, numa tentativa de a inverter, apelando ainda ao corpo clínico para a sua boa-vontade, abdicando de parte dos seus honorários. “Poucos o fizeram e por valores insignificantes”, acrescentou.
Por isso, entende que continuar com a atividade exploratória do hospital conduziria, nos próximos dois ou três anos, ao colapso financeiro da instituição, colocando em situação de elevado risco as restantes respostas sociais”.
“Respostas sociais que se têm revelado deficitárias mas que, mesmo juntas, não atingem valores negativos evidenciados pelo hospital”, disse ainda sobre as valências direcionadas para o apoio à infância, juventude e terceira idade que é preciso preservar: “o hospital tem uma enorme concorrência nas proximidades.”
Aos irmãos, avançou ser vontade da mesa que as instalações e equipamentos do hospital possam continuar a ser úteis à comunidade, sob a exploração de outra entidade “credível e que mereça a confiança da Misericórdia”. Revelou estar já em negociações com potenciais interessados (Hospital da Misericórdia da Mealhada): “gente séria, honesta, conhecedora do ramo e com capacidade económica e financeira que suporte o investimento a médio/longo prazo que nós não temos”.
Mas, caso não seja possível dar este rumo àquela unidade de saúde, é certo que ser-lhe-á dado outro destino, ao edifício com alienação dos equipamentos para os quais já haverá um grupo na área da saúde interessado.
“O nosso desejo é que no dia 2 de janeiro esteja lá uma entidade a dar continuidade ao nosso projeto”, frisou o provedor, não descartando a hipótese de dar dar outro rumo ao hospital.
Na ocasião, Emanuel Maia, presidente da assembleia-geral, disse ser necessário encontrar soluções para o futuro daquele espaço, mas também que considerava a decisão da mesa administrativa relativa à cessação da valência “uma decisão lúcida”, uma vez que está em causa a vida da Misericórdia, até porque esta (saúde) é uma valência que esteve sujeita a várias pressões, já que na região existe uma grande oferta de unidades privadas de saúde: “não podemos querer ter – só por querer – uma unidade de saúde que consome o que a Misericórdia tem e que deve servir para outros fins”, avançou. “Esta decisão talvez só peque por tardia, uma vez que está em causa a falência a médio prazo da instituição”, sublinhou Emanuel Maia, reforçando que a decisão da mesa administrativa não invalida que haja um esforço para encontrar soluções para aquela unidade de saúde.
Também o irmão Amândio Albuquerque destacou que, sem desvalorizar quem ali trabalha, aquele espaço não era nenhum hospital, mas sim um mero centro de consultas, logo não sendo uma valência lucrativa, não é prioritária para os princípios da Misericórdia.
Catarina Cerca
catarina.i.cerca@jb.pt

Posted in Anadia, SangalhosComments (0)

Sangalhos: 2.ª Mostra dá à prova 21 sopas no Centro Escolar


A 2.ª Mostra de Sopas do Centro Escolar de Sangalhos (integrada no PES – Projeto Educação para a Saúde, do Agrupamento de Escolas de Anadia) confirmou, uma vez mais, o sucesso da iniciativa.
Na última sexta-feira, dia 14, estiveram à prova, entre as 12h30 e as 14h, neste estabelecimento de ensino, 21 sopas (1,5 euros/sopa).
Este ano, uma edição inteiramente solidária com o objetivo de angariar receitas para a corporação de bombeiros do concelho de Anadia, um dos concelhos mais fustigados, durante o verão, pelos fogos florestais.
Sopas de peixe, marisco, canja, caldo verde, feijão, legumes e dos Açores, confecionadas pelos encarregados de educação, num evento que esteve aberto à comunidade fizeram as delícias de muitas dezenas de participantes.
Uma mostra que contou com a presença do vereador Jorge Sampaio, da Câmara Municipal de Anadia, que acompanhou uma comitiva franceses de La Chaize Le Vicomte, geminada com a vila de Sangalhos, mas também pelo autarca de Sangalhos, António Floro e pelos representantes da Associação das Geminações da Vila Sangalhos que durante quatro dias estiveram de visita à vila.
A visita da comitiva francesa inseriu-se no âmbito da geminação para avaliar futuros intercâmbios em áreas como o desporto, educação e cultura.
De destacar o apoio logístico da equipa da Misericórdia da Freguesia de Sangalhos que organizou e serviu – em articulação com as assistentes operacionais do Centro Escolar – as 21 sopas que estiveram expostas.
CC

Posted in Anadia, Bairrada, SangalhosComments (0)

Sangalhos: Vinhos e gastronomia à prova durante três dias


O Ministro do Ambiente, João Pedro Fernandes, presidiu, na tarde da última sexta-feira, à cerimónia de abertura da 4.ª edição do Encontro com o Vinho e Sabores Bairrada que decorreu até ao dia 2 de outubro, no Centro de Alto Rendimento (Velódromo Nacional), em Sangalhos.
Em dia de inauguração de um dos eventos mais aguardados na região, Pedro Soares, presidente da Comissão Vitivinícola da Bairrada, destacou que este é um evento que se vem afirmando como “de referência na região para a promoção dos produtos endógenos.” Três dias para mostrar o que de melhor se produz na região e que ajuda a afirmar a identidade, o valor e credibilidade da marca coletiva Bairrada.
“Vive-se, hoje, na Bairrada o que se pode chamar de “boa onda”, cabe a todos trabalhar para que essa boa onda não se desfaça”, disse, avançando, contudo que as dificuldades não desapareceram, subsistem em várias vertentes. Num claro apelo à união, salientou que o caminho tem de ser trilhado pela via da certificação e que esta “seja um desígnio para todos os produtores”.
E sendo, hoje, a marca Bairrada um ativo valorizado quer a nível nacional, quer internacional, lembrou ao presidente do IVV, ali presente, que para os produtores de regiões de menor dimensão, como é o caso da Bairrada e que são o suporte financeiro das CVR´s, é necessário que se equacione formas de financiamento que possibilitem a diminuição das assimetrias entre cada uma das regiões demarcadas.
Já ao ministro do Ambiente relembrou a importância do setor vitivinícola para questões tão importantes como a sustentabilidade dos territórios.
Na ocasião, apelou ainda à diminuição da taxa do IVA nos espumantes, quando esses sejam produzidos com base na matéria-prima endógena. “Seria este um incentivo determinante para a valorização dos produtos endógenos da região.”
Pedro Soares destacou ainda o trabalho da CCDR Centro que decidiu apoiar a fileira do vinho, envolvendo num projeto comum as cinco regiões vitivinícolas. “Este projeto será para nós determinante para a reformulação do rebranding da marca Bairrada como um todo”, sem esquecer que a região deve retomar o quanto antes as atividades de experimentação e investigação neste domínio temático, estabelecendo as parcerias necessárias para que os ganhos se tornem efetivos.

Promoção de produtos endógenos. Adriana Rodrigues, do Turismo Centro Portugal, salientou as duas razões que levaram o Turismo do Centro a associar-se a esta organização: “por pretender assinalar e promover, de forma significativa, os produtos endógenos desta região, desde os gastronómicos aos vinhos e espumantes e pelo esforço de valorização da atividade dos produtos e dos produtores.” Sobre este evento diria ser: “um evento com características inigualáveis, dificilmente comparáveis com um caráter identitário muito específico e próprio.” Uma mostra voltada para a promoção e comercialização que dá a conhecer a diversidade e a qualidade dos vinhos da região.
“Este evento espelha e personaliza o esforço e o trabalho que se tem desenvolvido na fileira do enoturismo que a Bairrada tem sabido desenvolver”, concluiria.

O legado e a importância da casta Baga. Durante a sua intervenção, a autarca anadiense Teresa Cardoso defendeu tratar-se de um encontro fundamental para a imagem e para a difusão do trabalho realizado pelas empresas e entidades participantes, que assim demonstram a sua dimensão, excelência, capacidade de inovação e pioneirismo.
“Ao longo destes três dias, vamos poder conhecer o que a Bairrada idealiza, projeta e produz, honrando o legado das gerações que nos antecederam, seja pelo perpetuar do seu património, ou seja pela sua reinvenção”, diria.
Na ocasião destacou ainda a importância da casta Baga e da projeção, alcançada agora através do grupo “Baga Friends”.
“A Baga teve um conjunto restrito de adeptos, até que surgiu, pela mão da Comissão Vitivinícola da Bairrada, o “Plano de Ação para a Viticultura Bairradina”, e, com ele, o projeto “Baga Bairrada” e o lema “Uma Região. Uma Casta. Um Espumante”, destacou.
Relativamente ao espumante, um dos vinhos em que a Bairrada é excelente e domina a produção nacional, lamentou que continue a ter dificuldade em se ver reconhecido lá fora. “Um combate que urge travar e que pode tirar partido do desbravar de terreno já feito pelos restantes vinhos”, adiantou a autarca, sublinhando uma vontade já expressa anteriormente por Pedro Soares: “ver criado na centenária Estação Vitivinícola da Bairrada, um Centro de Investigação de Espumantes, fundamental para apoiar a produção destes vinhos.”

Ministro destaca diversidade da Bairrada. João Pedro Fernandes, ministro Ambiente, bairradino de corpo e alma (nasceu em Águeda), diz ter aprendido o que era o ondulado da paisagem muito miúdo ainda. Por isso, afirmou que a Bairrada é um território completamente diferente do da sua infância e juventude quando vinha estudar, de bicicleta para o Liceu de Oliveira do Bairro, numa altura em que a sua mãe era Conservadora Civil, naquele município.
“Ao dar um passeio nesta feira parece-me evidente que o que hoje diferencia a Bairrada é a qualidade e a forma como sabe trabalhar os seus produtos”.
O governante salientou ainda a forma como os vinhos e espumantes se cruzam com a gastronomia, com a hotelaria, numa tentativa de mostrar uma Bairrada que vai muito para além do leitão e do espumante.
Paralelamente, João Pedro Fernandes salientou a importância da diversidade, que é também uma vantagem enorme mas também uma preocupação ambiental se não for bem cuidada.
Catarina Cerca
catarina.i.cerca@jb.pt

Posted in Anadia, Bairrada, SangalhosComments (0)

Sangalhos: População reclama mais caixas multibanco na freguesia


Sangalhos é uma das freguesias com maior densidade populacional no concelho de Anadia. Tem aproximadamente 4.100 habitantes e segundo os Censos de 2011, mais de 1500 famílias.
Neste momento, a freguesia tem à disposição apenas uma caixa multibanco (colocada há dois anos numa agência de seguros) que não chega, nem de perto, nem de longe para as necessidades da população.
Embora muitos sangalhenses já optem por levantar dinheiro nas caixas multibanco existentes nas freguesias limítrofes, a verdade é que a falta destes equipamentos tem causado imensos transtornos à população, sobretudo durante o fim de semana. Na localidade, os lamentos ouvem-se um pouco por todo o lado. E é fácil perceber a razão.
As caixas multibanco mais próximas localizam-se na Malaposta, que dista seis quilómetros de Sangalhos, ou em alternativa, no concelho vizinho de Oliveira do Bairro, a três quilómetros.

Já foram duas. Mas a freguesia, nomeadamente a vila de Sangalhos, já teve duas caixas multibanco a funcionar em simultâneo. Tudo mudou no início de 2013, altura em que encerrou, na Rua do Comércio, aquela que era uma das mais antigas agências bancárias do concelho de Anadia. Num processo de reorganização, o Millennium BCP encerrou o balcão de Sangalhos, que existia na vila há 44 anos. Mais recentemente, em julho passado, o extinto Banif, que passou a Santander Totta, também encerrou a sua agência nesta mesma rua. Com ambos os encerramentos, as caixas multibanco tiveram a mesma sorte, deixando a população a braços com uma enorme dor de cabeça.
Neste momento, a única caixa multibanco está muitas das vezes indisponível para levantamentos, dada a elevada procura.

Junta de Freguesia procura solução. Sobre esta questão, o autarca de Sangalhos, António Floro, diz ser uma “situação preocupante e lamentável”. Por isso, já reuniu com uma entidade bancária no sentido de se equacionar a abertura de uma agência na freguesia, de forma a resolver ou minorar este problema.
A JB diz mesmo que “se o banco contactado – que está neste momento a analisar o processo – aqui se fixar, nem que seja em instalações cedidas pela Junta de Freguesia, as nossas contas (Junta e de várias associações) passam para lá.”
A seu ver, o ideal era a freguesia manter duas a três caixas, por forma a dar resposta às solicitações da população e de quem por aqui passa.
Mas a situação de Sangalhos é semelhante a muitas vividas por outras localidades. A concentração de serviços nos grandes centros, respetivamente nas sedes de concelho, causa vários constrangimentos às populações, sobretudo aos mais idosos e com mais dificuldade nas deslocações.
Senão vejamos: a freguesia de Sangalhos tem estado a braços com sucessivos encerramentos: bancos, CTT, comércios, posto de abastecimento de combustível (entretanto, substituído por um posto self-service) e SAP, com a agravante de não existir uma rede de transportes públicos como nas cidades que a população possa utilizar.
Catarina Cerca

Posted in Anadia, Bairrada, SangalhosComments (0)

Sangalhos/Geminação – Protocolo vai permitir intercâmbios e estágios


Foi em ambiente de festa que a Associação das Geminações da Vila de Sangalhos recebeu, de 7 a 10 de julho, uma comitiva de cerca de 50 franceses, provenientes de La Chaize le Vicomte, cidade com a qual Sangalhos está geminada. Mas foi em êxtase que os anfitriões se despediram desta comitiva na noite de domingo, depois da seleção nacional ter dado aos portugueses a maior alegria que poderia dar, ao vencer, em Paris, a final do Europeu de 2016 perante a seleção de França.

Programa cultural. O vasto programa cultural integrou vários passeios pelo país. Foram, efetivamente, três dias intensos de partilha e de confraternização. Com quatro anos de geminação, os laços entre as duas comunidades estão criados e quase como uma família, estes três dias de reunião deram para matar saudades e viver novas e inesquecíveis experiências.
No dia 8, os anfitriões levaram os amigos franceses a conhecer um dos locais mais emblemáticos e belos do país: a zona do Porto e de Gaia, com visita à Real Companhia Velha e a uma descida das seis pontes do Douro em barco de cruzeiro. O dia terminou no quartel dos Bombeiros de Anadia onde assistiram ao encerramento do projeto “Ser bombeiros por uma semana”, assim como perceberam um pouco como funciona um quartel que presta socorro 24h/dia, 365 dias por ano e em regime de voluntariado.
O dia 9, foi também intenso e longo com uma saída bem cedo para visitar, no Bombarral, a Quinta dos Loridos. O dia terminaria na sede da Junta de Freguesia de Sangalhos com assinatura de protocolo, jantar que reuniu cerca de 120 pessoas, representantes de várias associações locais, e atuação do Coro Gospel Choir.
Por último, no domingo, todos puderam deliciar-se, em Sangalhos, com a animada e muito concorrida 1.ª edição da Feira de Artesanato que trouxe a esta vila artesãos de vários pontos do país.
Em dia de final de Europeu, com jogo entre a seleção nacional e a francesa, a vitória sorriu a Portugal mas todos viveram e partilharam as emoções de uma grande final em franca confraternização. Por isso, Silvana Marques confirmou que a derrota dos franceses não ensombrou os festejos e alegria dos sangalhenses. “Foi um momento de união e franca amizade. Lado a lado, todos juntos, sangalhenses e franceses festejaram a vitória da seleção lusa. No final, após uma despedida sentida, levaram as nossas bandeiras e cachecóis, demonstrando um grande fair play”, acrescentou Silvana Marques.

Vantagens do protocolo. Com a assinatura do protocolo, no âmbito da geminação, as duas associações estão já a pensar no próximo passo, em intercâmbios e estágios em áreas como a saúde, educação, cultura e desporto. Por isso, a sessão protocolar contou com a presença de Jorge Ribeiro, presidente do Sangalhos DC e de Ana Matias, comandante dos Bombeiros Voluntários de Anadia que deram a conhecer estas duas coletividades e a sua forma de trabalhar. Também por parte da comitiva francesa foi explicada a forma de trabalhar do clube de futebol local e a organização da vila em termos de proteção civil.
Aliás, Silvana Marques realça o facto de, já este ano, ter decorrido e com grande sucesso aulas de língua portuguesa, uma vez por semana, por videoconferência, a 15 franceses de La Chaize le Vicomte. As aulas estão a cargo da professora da Universidade de Aveiro, Maria José Loureiro e vão recomeçar em setembro, com o segundo ano. “Este ano alguns elementos da geminação que frequentam estas aulas já se conseguiram exprimir e comunicar em português”, avançou Silvana Marques, convicta de que o sucesso da iniciativa vai continuar a dar bons frutos. Por isso, faz um balanço muito positivo de mais esta jornada. Para o ano, será a vez da comitiva portuguesa regressar a França e ser recebida pelos seus pares.
Catarina Cerca

Posted in Anadia, Bairrada, SangalhosComments (0)

Sangalhos: 1.ª Feira de Artesanato e Sabores


A Associação das Geminações da Vila de Sangalhos (AGVS) promove no próximo domingo, dia 10 de julho, a I Feira de Artesanato e Sabores na Vila de Sangalhos. O evento decorre das 10 à meia-noite e enquadra-se na vinda da comitiva francesa de La Chaize le Vicomte – cidade geminada com Sangalhos, ao concelho de Anadia.
De referir ainda que no âmbito da visita da comitiva francesa (cerca de 50 franceses) à vila de Sangalhos, entre 7 e 10 de julho, e integrado no programa cultural, foi programada uma sessão protocolar no dia 9 de julho, pelas 18h30, na sede da Junta de Freguesia de Sangalhos, seguindo-se um jantar e espetáculo com Coro Gospel Choir.
A sessão protocolar integra ainda a assinatura de protocolo de cooperação da AGVS com associações francesas convidadas.

Posted in Anadia, Bairrada, SangalhosComments (0)

Hospital da Misericórdia de Sangalhos: Brinquedos doentes foram ao hospital


Para celebrar o Dia Mundial da Criança (1 de junho), o Hospital da Misericórdia de Sangalhos preparou uma atividade dirigida a todas as crianças da freguesia, com idades compreendidas entre os 2 e 7 anos.
A iniciativa consistiu em receber as crianças com os seus brinquedos doentes, para que estes recebessem cuidados dos enfermeiros com o auxílio das próprias crianças.
De acordo com as enfermeiras, Ana Gonzalez e Soraia Rodrigues, “os brinquedos são utilizados para aliviar a ansiedade das crianças em situações atípicas para a sua idade, podendo ser úteis sempre que elas têm dificuldade em compreender ou lidar com novas experiências”.
Por isso, conhecendo a sua importância para as crianças em geral, “surgiu a ideia de os utilizar na explicação e preparação das crianças para procedimentos terapêuticos futuros, ajudando-as a compreender e a lidar com novas experiências”.
As enfermeiras Ana Gonzalez e Soraia Rodrigues destacaram ainda que “o principal objetivo consistiu em quebrar o «medo das batas brancas» que tantas crianças manifestam quando, em contexto de doença necessitam de receber cuidados dos profissionais de saúde em ambiente hospitalar”.
Com esta atividade, o Hospital da Misericórdia de Sangalhos pretendeu também promover a proximidade entres as crianças e os profissionais de saúde, para que esta se traduza em ganhos de saúde no futuro.
Neste dia de maior azáfama no Hospital, as principais queixas trazidas foram febre, dores de barriga, pernas e braços partidos, bem como alguns casos de varicela.
De acordo com as crianças “a febre era tão alta que até rebentou com o termómetro”…
Depois de várias avaliações, exames de diagnóstico e algumas “picas”, os brinquedos saíram bem-dispostos, e as crianças com sorrisos estampados na face.
Foi um dia diferente para as crianças e para os profissionais de saúde deste hospital que foram presenteados com a alegria contagiante dos mais pequenos.
Ana Gonzalez e Soraia Rodrigues não deixam de agradecer a todas as crianças, pais e instituições que tornaram esta atividade possível.

Posted in Anadia, Bairrada, SangalhosComments (0)

SFImobiliaria

Blogues recomendados


Cagido

PROFESSORA PALMIRA, ONTEM, HOJE E SEMPRE # 2
   Em cada um de nós houve professores e professoras, que nos marcaram mais …


Notícias de Bustos

ADEUS!
Chegou o momento da despedida. O blogue “Notícias de Bustos” termina a sua …


Portal de Nariz

RECORTES DO QUOTIDIANO – A Nova etapa do Portal de Nariz
VEJA AQUI A NOVA PÁGINA DO PORTAL DE NARIZ

Pergunta da semana

É assinante do Jornal da Bairrada?

View Results

Loading ... Loading ...
Newsletter Powered By : XYZScripts.com