Um “desafio” para continuar a estudar a história de Calvão. A ideia foi deixada por Paulo Margarido, no decorrer da apresentação da monografia “Da Gelfa a Calvão”, que ele próprio coordenou. A referida publicação, inserida nas comemorações dos 75 anos da freguesia de Calvão, foi editada pela Universidade de Coimbra, e reúne diversos textos assinados por uma dezena de investigadores.

A cerimónia de apresentação contou com a presença de Rui Cruz, presidente da Câmara de Vagos, que disse tratar-se de “um estudo aprofundado sobre o povo e o povoado calvonense, inserido numa região geográfica com características próprias”. Um “pequeníssimo livro de história”, reconheceu aquele autarca, que teve palavras de apreço para todos os autores que se dispuseram a estudar, de forma exaustiva e apaixonada, temas “gratos” da região da Gândara.

São cerca de 500 páginas, que traçam o “estrato de uma das parcelas do todo colectivo”, como refere o Prof. Carlos André, director da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Páginas que “percorrem” a região, a nível arquitectónico, geográfico, linguístico e cultural.

A apresentação esteve a cargo do director do Colégio Nossa Senhora da Apresentação (Calvão), Pe. Querubim Silva, que reconheceu a importância de saber “como se moldou a alma deste povo”, e perceber como nasceu e se movimentou o agregado populacional.

Elogiando a competência dos “construtores” da monografia, o director do Colégio, a quem foi lançado o repto para também apresentar a história do mítico estabelecimento de ensino diocesano, diria a propósito, que a obra agora lançada “deixa o coração cheio e espírito entusiasmado para desenhar o futuro”.

Recorde-se que as “bodas de diamante” da freguesia de Calvão foram assinaladas em 2008, com diversas iniciativas de carácter social. O destaque foi, naturalmente, para as obras de requalificação da antiga lagoa do barreiro, hoje transformada em aprazível espaço de lazer, campo sintético de futebol de sete do GD Calvão, e praceta frente à sede da Junta de Freguesia e Largo da Juventude.
Do programa fez, ainda, parte uma sessão solene comemorativa daquela data, no decorrer da qual foram distinguidas diversas personalidades e instituições, que mais contribuíram para o progresso local. As festividades terminaram em Agosto, com o mega almoço de confraternização, entre emigrantes nascidos em Calvão.

Eduardo Jaques/Colaborador