As obras de requalificação no denominado Largo da “Solcer”, na Alagôa, Vila Verde, efetuadas pela Junta de Freguesia de Oliveira do Bairro, estão concluídas.
De acordo com o presidente da Junta de Freguesia de Oliveira do Bairro, Márcio Oliveira, “a obra estava contemplada no Plano de Atividades para 2012 e mereceu um significativo esforço financeiro da parte da Junta de Freguesia, para que residentes e utilizadores possam desfrutar de um espaço mais digno, em melhores condições de segurança, esteticamente mais atrativo e para que o lugar de Vila Verde passe a ter aqui mais um bonito cartão de visita”.
Segundo o autarca, “as intervenções visaram dotar aquele espaço de melhores acessibilidades e condições para a permanência dos seus utilizadores, eliminando barreiras arquitetónicas, privilegiando a visibilidade e o espaço aberto”.

Motor da economia. Nesta obra, foi eliminado o tanque onde deveria funcionar um lago com repuxo de água (idêntico ao que se encontra em frente à biblioteca municipal). “Este tanque estava rodeado de sebes de jardim e no seu fundo estava a tubagem antiga, tornando-se esta estrutura um potencial perigo para quedas de pessoas”, explicou o presidente da Junta de Oliveira do Bairro.
Diz ainda ainda que no lugar do tanque, agora, “nasceu um espaço embelezado por cacos, desperdícios das indústrias cerâmicas, por forma a lembrar e homenagear todas aquelas empresas que na freguesia e no concelho têm sido um dos principais motores da economia e do emprego”.
Márcio Oliveira dá conta ainda “da eliminação do redondo maciço central, que oferecia a possibilidade das pessoas se poderem sentar, mas que não era utilizado para esse efeito e que se encontrava a obstruir a visibilidade geral do largo e constituía-se como a principal barreira arquitetónica deste largo. Assim, no seu lugar, nascerá um espaço ajardinado com um holofote que incidirá o seu foco de luz sobre o sobreiro, considerado uma árvore de grande mais-valia para este largo”.
Paralelamente foram ainda substituídas as árvores que ladeavam o largo, até porque algumas já se encontravam mortas, tendo sido plantadas nove oliveiras.