A vereadora do PSD, Laura Pires, que está de saída da Câmara Municipal de Oliveira do Bairro (não foi convidada pela concelhia a integrar a lista do PSD às próximas eleições), apresentou, na última reunião de Câmara, um documento que traça o rumo da educação para o concelho até ao final do ano letivo 2013/2014. O “manual” foi aprovado por unanimidade e recebeu rasgados elogios da oposição.

Transparência. A autarca começou por explicar que “para muita gente o segredo é a alma do negócio, mas eu entendo que, em serviço público, a transparência é a alma do negócio”. Assim, “trago um documento que contempla as ações que queremos e pretendemos implementar no município e que marcam todos os anos letivos”, afirmou Laura Pires, acrescentando que “algumas das ações são novas, uma vez que vamos inovando no concelho de Oliveira do Bairro, com o melhor que se faz no país”. “Acreditamos que vale a pena trabalhar para garantir futuros melhores”, referiu.
Laura Pires explicou ainda que o seu propósito ao fazer o “manual” é a não existência de segredos no exercício público. “Nós vamos evoluindo na forma como apresentamos as estratégias, assim como na forma como vendemos o nosso produto”, explicou a vereadora da educação que está de saída. “Quem está no final de mandato, ou usa o segredo ou a transparência. Eu optei pela transparência”, afirmou.

Desafios. A responsável pela educação no concelho referiu ainda que, “ao longo dos anos em que tenho assumido a vereação da pasta da educação, muitos têm sido os desafios assumidos, e outros tantos os aceites, por esta autarquia”. “Avocámos novas respostas e qualificámos inquestionavelmente as já existentes e para responder às necessidades das famílias; transportamos alunos todos os dias; facultamos refeições escolares gratuitas e a preços acessíveis e garantimos que os alunos não fiquem sem ocupação e proteção muito para além do horário da componente letiva”.
“Efetivamente, a pasta da educação obriga a uma permanente mudança”, acrescentou Laura Pires, afirmando que “cada transferência de competências da estrutura central obriga a um acréscimo de responsabilidades. Implica, também, um acréscimo de oportunidades”.
Laura Pires destacou que “cada ano letivo apresenta uma série de alterações relativamente ao anterior, fruto de leis que se alteram, portarias que introduzem novidades, áreas que, ao longo do ano, foram identificadas como podendo ser mais qualificadas ainda”. Por isso, “estamos na educação para um só concelho, mas preocupa-nos cada aluno de cada escola”. “Mas preocupa-nos, também, conseguir uniformizar as respostas de que estes mesmos alunos beneficiam e dá-las a conhecer – num crescente processo de transparência e partilha – a pais, encarregados de educação, auxiliares, professores, animadores, monitores e educadores, parceiros, enfim, a toda a comunidade educativa.”

Dossiês. Laura Pires aprovou os dossiês relacionados com as refeições escolares; CAF – Componente de Apoio à Família; AEC’s – Atividades de Enriquecimento Curricular; Educar para as Artes e para a Cultura; Educar para a Ciência; Educar para o ambiente e para a sustentabilidade; Educar para a Saúde; Educar para a inclusão e Educar em Rede.

Pedro Fontes da Costa
pedro@jb.pt