O aspeto do rio Cértima, na zona de Avelãs de Caminho, na manhã da última segunda-feira era desolador.
Milhares de peixes mortos cobriam uma extensão do leito, em Avelãs de Caminho.
A fotografia, tirada nas traseiras de uma empresa, mostra peixes de todas as dimensões e espécies, que durante o último final de semana apareceram mortos naquele local.
A JB Dino Rasga, deputado municipal e morador em Avelãs de Caminho, revelou que, enquanto membro do Conselho Municipal de Segurança do município de Anadia, irá levar este assunto à próxima reunião daquele órgão, a realizar já no dia 18 de setembro. Dino Rasga quer discutir com os seus pares esta questão que acontece ciclicamente no verão e perceber se é possível encontrar uma solução para este problema.
Segundo revelou, a situação não é inédita e já terá acontecido em anos anteriores, não estando relacionada com um crime ambiental mas sim com a falta de oxigénio na água.
De facto, nesta altura do ano, o caudal do rio é bastante reduzido e a água, em muitos locais, está estagnada com um índice de oxigénio abaixo do desejável. Uma situação que pode levar à morte dos peixes por asfixia, já que estes partilham o mesmo habitat com as algas que, tal como os peixes, consomem o oxigénio existente na água.
JB sabe que noutras ocasiões, tal como agora, o SEPNA da GNR não detetou qualquer crime ambiental, mas sim carência de oxigénio na água. Por isso, na última segunda-feira, fotografou o local e entrou em contacto com a Câmara Municipal de Anadia.
Também o autarca de Avelãs de Caminho, César Andrade, na última segunda-feira, diligenciou que a tábua da represa de regadio do Moínho das Nogueiras fosse aberta para permitir a circulação de água, por forma a que a corrente trouxesse mais oxigénio aquelas águas.
Ao JB avançou não suspeitar de qualquer crime ambiental, mas de causa natural, agravados pelo calor intenso e falta de água no leito do rio.

Catarina Cerca